Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Inflação atingirá meta de 4,5% em 2009, diz Meirelles

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, reforçou nesta sexta-feira que o objetivo da autoridade monetária é trazer a inflação para o centro da meta, de 4,5%, em 2009. De acordo com ele, as expectativas do mercado contam com uma desaceleração da taxa de inflação no próximo ano.

Agência Estado |


Segundo a pesquisa Focus divulgada pelo BC na segunda-feira, as projeções dos analistas para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano estavam em 6,58%; para 2009, em 5%; para 2010 e 2011, em 4,5%; e para 2012, em 4,40%.

Meirelles destacou que os analistas apresentam suas previsões com base na expectativa de atuação de política monetária do Banco Central. "Eles levam em conta que o Banco Central não vai só assistir (o movimento de alta e de baixa da inflação). Eles esperam que, com medidas adequadas, a inflação convirja para a meta", disse, durante palestra na sede do Rotary Club de São Paulo, onde recebeu o troféu Ateneu Rotário pelo seu destaque na área econômica.

Pressão externa

O presidente do BC disse hoje que, apesar da desaceleração da economia dos Estados Unidos, há um aumento dos preços das matérias-primas (commodities) internacionais, bem como dos alimentos. "De fato, existe uma pressão internacional de preços, mas é muito prematuro dizer se isso vai continuar", comentou.

Meireles enfatizou que, quando se temia um desaquecimento forte da economia global, surgiu a China apresentando um robusto crescimento. "Temos claramente uma nova configuração da economia mundial", afirmou. Ele destacou que, apesar da crise nos Estados Unidos, há hoje vários pólos importantes de crescimento no mundo, principalmente de países emergentes, e citou como exemplo a sigla Bric (Brasil, Rússia, India e China), criada pelo banco de investimentos Goldman Sachs.

Crise

Meirelles afirmou que, na comparação com outras crises internacionais relativamente recentes, a turbulência ocorrida no mercado financeiro norte-americano oferece uma dimensão de perdas superior às demais. Ele relacionou o estresse atual aos períodos de crise na Ásia, em 1998, Japão, na década de 90, e Estados Unidos, no fim da década de 80. "Há de fato um problema sério, de grande dimensão, ocorrendo nos Estados Unidos", avaliou. Meirelles enfatizou que a crise atual vem gerando perdas bancárias muito concentradas nos Estados Unidos e na Europa.

Consumo

No mesmo evento, Meirelles destacou que o consumo das famílias vem crescendo "de forma substantiva" e prova disso é que o comércio já acumula expansão de 10,9% das vendas neste ano até maio, com destaque para o segmento de automóveis - que no mesmo período cresceu 21,4%. O presidente do BC voltou a dizer que a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) vem ocorrendo com base na atividade doméstica e que a taxa de desemprego vem caindo substancialmente.

Ele lembrou que em 12 meses, até junho, foram criados 1,883 milhão de empregos formais no País. O ritmo da produção industrial também revela, na opinião de Meirelles, que o empresário acredita que o Brasil está crescendo, apesar das incertezas internacionais, e que as expectativas são de expansão nos próximos anos, ainda que em maior ou menor intensidade.

"Profunda transformação"

Meirelles lembrou que o País sofreu críticas em relação a sua distribuição de renda por muito tempo, mas que, de 2005 a 2007, 20 milhões de pessoa saíram da pobreza e entraram na classe média. "Este é um movimento de grande proporção", afirmou. "A estabilização do País também passa pela questão social", afirmou. Na avaliação de Meirelles, os dados apresentados hoje durante sua palestra mostram que a obtenção do grau de investimento pelo Brasil, ao final de abril, não se deu apenas por questões superficiais. "O momento é de profunda transformação; e de transformação para melhor", ressaltou.

 

Leia tudo sobre: inflaçãomeirelles

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG