Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Indústria tem expansão em todas as regiões em setembro

Os resultados regionais da indústria confirmaram o bom desempenho do setor em setembro, ainda distante dos efeitos da crise. Houve aumento na produção, em comparação a igual mês do ano passado, em todos os 14 locais pesquisados pelo IBGE.

Agência Estado |

A indústria de São Paulo prosseguiu como principal impacto positivo, em todas as bases de comparação.

O economista da coordenação de indústria do IBGE André Macedo disse que as regiões que registraram as maiores altas na produção em setembro são também aquelas com maior destaque em segmentos que têm liderado a expansão industrial, como bens de capital e bens de consumo duráveis, sobretudo automóveis.

Em análise divulgada ontem, o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), observa que os dados permitem antecipar que os principais centros industriais, como São Paulo, Minas e Rio Grande do Sul, poderão enfrentar problemas sérios de crescimento nos próximos meses. "O dinamismo da produção está marcado pelo desempenho dos setores de bens de capital e bens duráveis, notadamente pelos segmentos de máquinas e equipamentos e veículos automotores", diz o documento do Iedi.

Estes segmentos, prevêem os técnicos do instituto, devem sentir de forma mais intensa a desaceleração, "seja pelo problema do crédito ou pela queda dos investimentos decorrente das expectativas francamente negativas dos empresários".

Os destaques de expansão em setembro, comparativamente a igual mês do ano passado, com resultados acima da média nacional (9,8%) foram o Espírito Santo (16,5%), Rio Grande do Sul (15,7%), Paraná (14,4%), Amazonas (13,7%) e Bahia (10,9%). A indústria paulista cresceu abaixo da média (8,1%) nesse confronto mas, segundo Macedo, há uma elevada base de comparação do ano passado na região e, além disso, pelo peso de São Paulo - cerca de 40% da produção nacional - o Estado permanece como principal impacto no resultado nacional.

Em São Paulo, na comparação com setembro do ano passado, 16 dos 20 setores contribuíram positivamente na formação da taxa global. Os principais destaques foram: veículos automotores (18,5%), máquinas e equipamentos (16,8%), farmacêutica (21,5%) e outros equipamentos de transporte (50,8%). Em sentido contrário, as pressões negativas mais importantes vieram de outros produtos químicos (-10,2%) e alimentos (-4%).

Ainda em setembro, na comparação com agosto, a pesquisa mostrou que sete das 14 regiões registraram aumento na produção. Segundo Macedo, os locais que mostraram expansão são também aqueles com maior peso na produção nacional e, por isso, garantiram o crescimento de 1,7% na indústria nessa base de comparação, segundo divulgou o IBGE na terça-feira. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: indústria

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG