Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Indústria de plástico reclama de alta 40% em resinas e pede redução de imposto de importação

SÃO PAULO - A indústria de plástico brasileira está sofrendo com os reajustes nos preços das resinas termoplásticas. A Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast) divulgou hoje um comunicado em que afirma que o setor vive um círculo vicioso que o leva à iminência de parar.

Valor Online |

Estamos lançando um alerta, diz Merheg Cachum, presidente da Abiplast, lembrando que as 11,2 mil indústrias de plástico estão espremidas entre gigantes do setor petroquímico e grandes indústrias de bens de consumo.

A entidade argumenta que as matérias-primas usadas pelo setor tiveram reajustes estratosféricos, o que dificulta o repasse dos aumentos ao longo da cadeia.

A entidade cita diversos aumentos de preços para exemplificar a situação. Segundo a Abiplast, o Polietileno de Baixa Densidade (PEBD) subiu 44,93% nos últimos 12 meses, enquanto o Polietileno Linear de Baixa Densidade (PEBDL) aumentou 41,84% e o Polietileno de Alta Densidade (PEAD) teve alta de 45,34%. Ainda de acordo com a associação, o preço do Polipropileno (PP) aumentou 45,87% em 12 meses, enquanto o Poliestireno (PS) subiu 28,8%.

Como alternativas diante dos aumentos, a Abiplast pede que o governo reduza para zero as alíquotas de importação destas matérias-primas, ou que amplie para 90 dias o prazo de pagamento dos tributos federais e estaduais. Segundo Cachum, os preços das resinas praticados no Brasil são os mais altos do mundo e superam em cerca de 30% o valor cobrado no mercado internacional.

(Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG