Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Indústria de fundos registra resgates líquidos de R$ 67,6 bi no ano

SÃO PAULO - Depois de amargar resultado negativo de de R$ 6,2 bilhões em termos de captação líquida em novembro, com aplicações de R$ 129,5 bilhões e resgates de R$ 135,7 bilhões, a indústria brasileira de fundos continuou registrando um ritmo de saques bem superior ao de captações nos primeiros dias deste mês de dezembro. Conforme dados divulgados hoje pela Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid), entre os dias 1 e 4 de dezembro, o resultado líquido ficou negativo em R$ 5,843 bilhões. Com isso, os resgates no acumulado neste ano superaram as captações em R$ 67,592 bilhões, o que representa 6,02% de recuo no patrimônio líquido da indústria, de R$ 1,114 trilhão.

Valor Online |

Para Alexandre Zákia, vice-presidente da entidade, em termos relativos o resultado não é tão negativo quanto em 2002, quando a baixa representou cerca de 20% de recuo no patrimônio líquido. "Foi menos do que no resto do mundo", acrescenta, lembrando que o setor no Reino Unido e nos Estados Unidos teve reduções da ordem de 27,2% e 20%, respectivamente, no PL.

Para Zákia a resistência da indústria brasileira de fundos se deve a três fatores: situação macroeconômica favorável; solidez do sistema financeiro; e regulação madura da indústria de fundos.

O executivo lembra ainda que os resgates se concentraram mais em fundos de renda fixa e de multimercados. Tal movimento estaria muito associado ao aumento de aversão a risco que levou os cotistas dos fundos a buscar alternativas como os CDBs.

No acumulado do ano até o último dia 4 de dezembro, os fundos multimercados tiveram resgates líquidos de R$ 52, 9 bilhões e os de renda fixa de R$ 47,137 bilhões.

A distribuição do patrimônio líquido da indústria fundos até a última quita-feira era formado por 30,61% de recursos carteiras de renda fixa; 22,06% em multimercados; 16,75% em referenciados DIs; 10,10% em fundos de ações; 9,64% em previdência; 7,38% em outros tipos de fundos e 3,45% em fundos de curto prazo.

(Bianca Ribeiro | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG