Novos dados divulgados pelo governo da China revelando aumento na produção industrial e no consumo interno confirmam que o país deve cumprir - ou até superar - a meta de 8% de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano. Em outubro, a produção das fábricas na China cresceu 16,1%, um aumento de 7,9 pontos porcentuais em comparação com o mesmo período do ano passado e 2,2 pontos acima do resultado de setembro.

O aumento da produção industrial é um sinal de confiança num reaquecimento do consumo na China e no exterior. As vendas do comércio, por sua vez, subiram 16,2% ante o mesmo período do ano passado e 0,7 pontos porcentuais em relação ao mês anterior, setembro.

Grande parte desse aumento se deve ao pacote de US$ 600 bilhões em estímulos, lançado pelo governo em novembro do ano passado. A iniciativa inclui subsídios para a compra de eletrodomésticos e computadores e cortes nos impostos sobre propriedade e automóveis.

Somente a venda de automóveis subiu 72% em outubro, totalizando 1,22 milhão de unidades. De janeiro a outubro, 10,89 milhões de novos veículos chegaram às ruas da China, um aumento médio de 36,23% em relação ao mesmo período de 2008.

O investimento em propriedades nas áreas urbanas cresceu 33,1% entre janeiro e outubro. Isso corresponde a 5,9 pontos porcentuais sobre os investimentos no mesmo período do ano passado.

EXPORTAÇÕES
Outubro também marcou a maior desaceleração na queda das exportações. Desde o começo da crise mundial, há pouco mais de um ano, as vendas chinesas estão em queda. Em outubro, porém, foi a menor já observada.

A vendas ao exterior caíram 13,8% em relação a outubro de 2008, totalizando US$ 110,8 bilhões. No acumulado de janeiro a outubro deste ano, as exportações recuaram 20,5%, somando US$ 957,36 bilhões. As importações também recuaram 19% desde o começo do ano.

Para este ano, a China tem a meta de crescer pelo menos 8%, para garantir geração de novos empregos suficiente para que não haja insatisfação popular. De janeiro a setembro, a média alcançada foi de 7,7%. Uma elevação de mais de 10% é a estimativa para o último trimestre.

Com base nos resultados até agora, o Banco Mundial reviu para cima sua previsão de crescimento da China em 2009. A instituição acredita que o país vai crescer 8,4%, em vez de 7,2% este ano. Para 2010, o Banco Mundial estima que as políticas de Pequim e o cenário de recuperação mundial garantirão crescimento de 8,7%. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.