Tamanho do texto

GENEBRA - A indústria aérea mundial se encontra em situação extremamente delicada devido aos altos preços do petróleo e à crescente queda da demanda, o que levará a perdas este ano de US$ 5,2 bilhões, anunciou hoje a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês).

"Estamos no centro de uma tempestade perfeita, em uma situação muito frágil, inclusive naqueles mercados que considerávamos muito robustos, como o da Ásia Pacífico", disse Giovanni Bisignani, diretor-geral Iata, por teleconferência.

Segundo Bisignani, a previsão de perdas para 2008 da Iata se baseia no fato de o petróleo se manter a uma média de US$ 113 o barril.

A estimativa de perdas para o ano é um pouco do "roteiro mais pessimista" que a organização tinha previsto em junho, e segundo o qual a indústria perderia até US$ 6,1 bilhões - calculo feito com o preço médio do petróleo em US$ 135 o barril.

No entanto, os números previstos estão muito acima do roteiro "otimista" de apenas US$ 2,3 bilhões, reconheceu o responsável da Iata.

"A combinação tóxica de altos preços do petróleo e a queda da demanda continuam envenenando a rentabilidade da indústria", destacou.

O preço médio de US$ 113 por barril, embora seja melhor que o temido, "está US$ 40 acima do nível médio de US$ 73 de 2007".

"Isso significa que este ano a indústria pagará por combustível US$ 186 bilhões, ou seja, US$ 50 bilhões mais que em 2007".

A região que terá as piores perdas em 2008 é a América do Norte, com prejuízos de US$ 5 bilhões, o que é muito significativo depois do lucro de US$ 2,8 bilhões em 2007.

"A razão é que essa região está exatamente no olho da tempestade econômica", afirmou Bisignani.

A região da Ásia-Pacífico verá cair seus lucros de US$ 900 milhões em 2007 para US$ 300 milhões em 2008. Já a Europa ganhará este ano somente US$ 300 milhões, contra US$ 2,1 bilhões em 2007.

A América Latina e a África aumentarão suas perdas para US$ 300 milhões e US$ 700, respectivamente.

O Oriente Médio continuará obtendo lucros, que passarão de US$ 300 milhões para US$ 200 milhões.

Segundo as previsões para 2009, anunciadas hoje pela primeira vez pela Iata, as dificuldades continuarão e a indústria terá perdas de US$ 4,1 bilhões, com o preço médio do barril de petróleo em US$ 110.

Bisignani ressaltou a necessidade de a indústria encarar as mudanças para enfrentar uma crise mais severa que as sofridas pela demanda após dois trágicos eventos: o 11 de setembro de 2001 e a epidemia de Sars (Síndrome Respiratória Aguda Severa) em 2003.

"As companhias aéreas reduziram seus custos, excluindo o com combustível, em 18% desde 2001. Mas os aeroportos e as prestadoras de serviços de navegação aérea devem se juntar aos esforços. Nossos parceiros devem entender que estamos no centro da tempestade", afirmou.

Leia mais sobre aviação mundial

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.