Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Indústria aérea mundial perderá US$ 5,2 bi em 2008

GENEBRA - A indústria aérea mundial se encontra em situação extremamente delicada devido aos altos preços do petróleo e à crescente queda da demanda, o que levará a perdas este ano de US$ 5,2 bilhões, anunciou hoje a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês).

EFE |

"Estamos no centro de uma tempestade perfeita, em uma situação muito frágil, inclusive naqueles mercados que considerávamos muito robustos, como o da Ásia Pacífico", disse Giovanni Bisignani, diretor-geral Iata, por teleconferência.

Segundo Bisignani, a previsão de perdas para 2008 da Iata se baseia no fato de o petróleo se manter a uma média de US$ 113 o barril.

A estimativa de perdas para o ano é um pouco do "roteiro mais pessimista" que a organização tinha previsto em junho, e segundo o qual a indústria perderia até US$ 6,1 bilhões - calculo feito com o preço médio do petróleo em US$ 135 o barril.

No entanto, os números previstos estão muito acima do roteiro "otimista" de apenas US$ 2,3 bilhões, reconheceu o responsável da Iata.

"A combinação tóxica de altos preços do petróleo e a queda da demanda continuam envenenando a rentabilidade da indústria", destacou.

O preço médio de US$ 113 por barril, embora seja melhor que o temido, "está US$ 40 acima do nível médio de US$ 73 de 2007".

"Isso significa que este ano a indústria pagará por combustível US$ 186 bilhões, ou seja, US$ 50 bilhões mais que em 2007".

A região que terá as piores perdas em 2008 é a América do Norte, com prejuízos de US$ 5 bilhões, o que é muito significativo depois do lucro de US$ 2,8 bilhões em 2007.

"A razão é que essa região está exatamente no olho da tempestade econômica", afirmou Bisignani.

A região da Ásia-Pacífico verá cair seus lucros de US$ 900 milhões em 2007 para US$ 300 milhões em 2008. Já a Europa ganhará este ano somente US$ 300 milhões, contra US$ 2,1 bilhões em 2007.

A América Latina e a África aumentarão suas perdas para US$ 300 milhões e US$ 700, respectivamente.

O Oriente Médio continuará obtendo lucros, que passarão de US$ 300 milhões para US$ 200 milhões.

Segundo as previsões para 2009, anunciadas hoje pela primeira vez pela Iata, as dificuldades continuarão e a indústria terá perdas de US$ 4,1 bilhões, com o preço médio do barril de petróleo em US$ 110.

Bisignani ressaltou a necessidade de a indústria encarar as mudanças para enfrentar uma crise mais severa que as sofridas pela demanda após dois trágicos eventos: o 11 de setembro de 2001 e a epidemia de Sars (Síndrome Respiratória Aguda Severa) em 2003.

"As companhias aéreas reduziram seus custos, excluindo o com combustível, em 18% desde 2001. Mas os aeroportos e as prestadoras de serviços de navegação aérea devem se juntar aos esforços. Nossos parceiros devem entender que estamos no centro da tempestade", afirmou.

Leia mais sobre aviação mundial

Leia tudo sobre: aviação mundial

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG