Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Índice futuro aponta para novo pregão de baixa em Nova York

SÃO PAULO - As bolsas em Nova York devem registrar mais um pregão de baixa. Tal sinalização é dada pelos índices futuros de Dow Jones, S & P 500 e Nasdaq.

Valor Online |

As fontes de pessimismo são as mesmas: os setores financeiro e automotivo e a economia, que dá, a cada dia, novos sinais de debilidade.

De acordo com os analistas, a incerteza sobre o futuro da Ford, General Motors e Chrysler são uma grande fonte de instabilidade. Desde o começo da semana os três símbolos da indústria norte-americana tentam arrancar US$ 25 bilhões do governo para seguir atuando.

Em um desdobramento dessa história hoje, a GMAC, braço financeiro da GM, pediu autorização para virar banco e poder pegar dinheiro com o governo. Tal estratégia já foi utilizada por outras instituições, como a American Express. A unidade da GM também anunciou um plano para trocar dívida por participações na empresa.

O setor financeiro, epicentro da crise, voltou a assombrar os investidores, com dúvidas sobre o futuro do Citigroup, que liquidou ontem mais um fundo de investimento. Ontem, o papel da empresa caiu nada menos que 23%.

Mais uma vez a ajuda ao banco deve vir de bem longe dos EUA. Reportagens apontam que o príncipe saudita Alwaleed bin Talal, pretende aumentar sua participação no capital do banco para 5%. Atualmente o príncipe tem menos de 4% do banco.

Na agenda do dia, atenção para os pedidos por seguro-desemprego, que devem continuar oscilando acima da faixa dos 500 mil. Também será conhecido do índice de indicadores antecedentes e o indicador de atividade do Federal Reserve (Fed), da Filadélfia.

Ontem, os mercados norte-americanos fecharam com forte queda, com o Dow Jones encerrando o dia baixo dos 8 mil pontos pela primeira vez desde março de 2003. O índice ações maia acompanhado do mundo caiu 5,07%, para 7.977 pontos. Já a bolsa eletrônica Nasdaq perdeu 6,53%.

Esse queda acentuada teve reflexos na Ásia, onde a Bolsa de Tóquio, o principal mercado da região, perdeu 6,89%.

(Valor Online, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG