Tamanho do texto

SÃO PAULO - Ainda existem riscos para que a inflação volte a se comportar de forma consistente com a trajetória das metas, avaliou o Comitê de Política Monetária (Copom) na reunião de outubro. Naquela ocasião, os integrantes do comitê decidiram, por unanimidade, manter a taxa básica de juro em 13,75% ao ano.

Além de seguirem elevadas as expectativas de inflação, o Copom nota a " persistência de descompasso importante entre o ritmo de expansão da demanda e da oferta agregadas " e uma trajetória mais incerta nos gastos domésticos em consumo e investimento.

" Nessas circunstâncias, a política monetária deve atuar, na medida em que o balanço dos riscos para a dinâmica inflacionária assim o requerer, por meio do ajuste da taxa básica de juros, ainda que não necessariamente de forma contínua, visando, por um lado, reduzir tal descompasso e, por outro, evitar que pressões originalmente isoladas sobre os índices de preços levem à deterioração persistente das expectativas e do cenário prospectivo para a inflação " , avaliaram os integrantes do Copom.

Ao mesmo tempo, o comitê conta com o impacto das condições financeiras mais restritivas para ampliar os efeitos da política monetária sobre a demanda e sobre a inflação.

(Valor Online)