Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

InBev tenta derrubar conselho da Anheuser

A cervejaria belgo-brasileira InBev aumentou a pressão sobre os altos executivos da Anheuser-Busch ao fazer ontem um novo movimento para tentar depor o conselho de diretores da cervejaria americana. A InBev fez uma solicitação de consentimento à Securities and Exchange Commission (SEC), o órgão regulador do mercado de ações dos Estados Unidos, para tentar remover cada membro do conselho da Anheuser.

Agência Estado |

Uma solicitação de consentimento é um pedido para que os acionistas permitam que seja feita uma mudança substancial dentro da companhia. Se a maioria dos acionistas aprovar a medida, o requerente pode continuar com as mudanças. A InBev afirmou que o movimento daria aos acionistas da Anheuser uma oportunidade para ter voz direta no processo de compra do grupo pela InBev.

Para substituir o conselho, a InBev propôs sua própria lista de diretores. Entre eles estão Adolphus Busch IV, o tio do presidente-executivo da empresa, August Busch IV; James Healey, ex-diretor-financeiro da Nabisco Group Holding; e Henry McKinnell, ex-presidente-executivo da Pfizer.

"Essa atitude não é uma surpresa", disse o analista Wim Hoste, da corretora KBC Securities. Segundo ele, o movimento pode desacelerar o processo de compra, mas acrescentou que a medida servirá, no fim, para saber se os acionistas da Anheuser aceitam a oferta da InBev. "Ainda acreditamos que a InBev vai prevalecer no final", disse o analista.

A InBev está oferecendo US$ 65 por ação, ou US$ 46 bilhões no total, em dinheiro para comprar a Anheuser, em uma proposta que pode criar a cervejaria líder do mundo. "Nossa forte preferência permanece sendo entrar em um diálogo construtivo com a Anheuser-Busch para alcançar uma combinação amigável", disse em comunicado o presidente-executivo da InBev, o brasileiro Carlos Brito.

ESFORÇO EGOÍSTA

Em resposta à ação da InBev, a Anheuser-Busch divulgou comunicado ontem no qual afirma que nos próximos dias pedirá a revogação da permissão que o grupo belgo-brasileiro solicitou à SEC. A cervejaria americana também pede que seus acionistas não assinem nem respondam qualquer solicitação que venham a receber da InBev.

O comunicado afirma que a solicitação da InBev é "um esforço egoísta" para tentar comprar a Anheuser-Busch por um preço que o conselho da empresa já definiu como "financeiramente inadequado". A cervejaria americana diz ainda que seus acionistas "deveriam se perguntar se os diretores escolhidos pela InBev negociariam a melhor transação" para eles.

A Anheuser-Busch lembra que seu conselho disse à InBev estar aberto a considerar qualquer proposta capaz de assegurar um valor certo e justo para os acionistas. "A InBev não fez nenhuma tentativa de apresentar tal oferta, nem deu detalhes de seu auto-proclamado financiamento, incluindo as condições do financiamento", afirmou a Anheuser-Busch.

"Os acionistas também devem ser advertidos de que a InBev, por meio de uma subsidiária, tem uma parceria significativa com o governo cubano para produzir e distribuir produtos em Cuba", diz o comunicado da cervejaria americana. "A InBev não comentou sobre como isso afetaria os negócios com os clientes da Anheuser-Busch, nem sobre sua capacidade de concluir uma compra sob as leis dos EUA que afetam compras de companhias americanas por empresas estrangeiras", acrescentou.

A Anheuser voltou a afirmar que busca agregar valor aos acionistas e lembrou o plano da empresa para reduzir despesas e aumentar a lucratividade. A companhia reiterou sua crença de que o plano "produzirá valor superior à proposta da InBev". Além disso, a companhia destacou a independência dos membros de seu conselho e advertiu que a possibilidade de a InBev substituir todo o conselho ainda está sob análise em um processo submetido aos tribunais de Delaware.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG