SÃO PAULO - A inadimplência medida entre as empresas brasileiras acumulou queda de 2,9% de janeiro a agosto deste ano, ante o mesmo intervalo do ano passado. Conforme levantamento da Serasa, na comparação entre os meses de agosto de 2007 e de 2008 a baixa chegou a 8,1%, praticamente o mesmo recuo verificado no confronto com julho, de 8%.

A Serasa credita a baixa do indicador ao bom desempenho das vendas e da produção do mercado interno. O comportamento aquecido vem permitindo que as empresas administrem melhor seus recursos e, portanto, cuidem melhor dos compromissos financeiros.

Os casos de inadimplência entre pessoas jurídicas continuam ocorrendo mais freqüência com títulos protestados, cuja representatividade passou de 40,1% de janeiro a agosto de 2007 para 42% neste ano. O valor médio dos débitos em atraso no acumulado do mesmo período subiram 1,8% perante 2007, para R$ 1.500,30.

A segunda maior freqüência de inadimplência empresarial é com cheques devolvidos, cuja participação também subiu de 38,3% para 38,8% no intervalo acumulado, com valor médio de R$ 1.283,9, ou 11,9% maior do que o montante calculado nos primeiros oito meses de 2007.

A participação mais modesta nos atrasos das empresas é com os bancos, que respondem por 19,2% dos débitos atrasado de janeiro a agosto deste ano, uma queda ante os 21,5% de participação verificada um ano antes. Já o valor médio das dívidas atrasadas também cresceu 7% no mesmo período, para R$ 4.413,98
(Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.