BRASÍLIA - A inadimplência bancária seguiu em queda em março, principalmente com quitação de dívidas pelas famílias. Os atrasos superiores a 90 dias, nas operações de pessoas físicas, caíram para a média de 7%, o menor patamar desde março de 2008 (6,9%), conforme dados do Banco Central (BC).

BRASÍLIA - A inadimplência bancária seguiu em queda em março, principalmente com quitação de dívidas pelas famílias. Os atrasos superiores a 90 dias, nas operações de pessoas físicas, caíram para a média de 7%, o menor patamar desde março de 2008 (6,9%), conforme dados do Banco Central (BC). A taxa média geral de inadimplência ficou em 5,2%, a menor desde março do ano passado (5%). Os atrasos nas operações das empresas tiveram taxa média de 3,6% em março, a menor desde junho de 2009 (3,4%). Para o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, o recuo na inadimplência é um movimento natural, após a forte elevação no período mais grave da crise mundial, ao fim de 2008. "A inadimplência teve elevação substancial com a crise pela escassez de liquidez, em especial para as empresas, que enfrentaram dificuldades para rolar dívidas. E também as famílias. O alívio na crise gera recuo na inadimplência, por força da regularização do crédito", explicou Lopes. Segundo ele, a tendência é que a inadimplência siga recuando, tendo em vista que a oferta de crédito voltou a patamares pré-crise. (Azelma Rodrigues | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.