As autoridades chinesas foram informadas há várias semanas sobre o leite adulterado, mas resolveram acobertar o escândalo por causa da realização dos Olímpicos, denunciaram nesta quarta-feira os jornalistas desse país.

A denúncia acontece no mesmo dia em que o governo da China anunciou, ao fim de uma investigação nacional, ter detectado a presença de melamina, uma substância tóxica, em 31 produtos a base de leite em pó, ou seja quase 12% dos 265 produtos investigados.

Muito antes de a crise eclodir, em meados de setembro, jornalistas chineses tentaram sem sucesso investigar os casos de bebês hospitalizados com misteriosos problemas renais, segundo diversos testemunhos da imprensa e de organizações não-governamentais.

"Como chefe de redação, eu estava muito preocupado. Suspeitava que isso fosse gerar um enorme problema de saúde pública", disse em seu blog Fu Jiangfeng, do Southern Weekend, um jornal do sul.

"Mas não pude enviar nenhum jornalista para cobrir esse caso. Hoje me sinto profundamente culpado e tenho um forte sentimento de fracasso", acrescentou.

Esse blog já foi retirado da internet chinesa, mas pôde ser visto em alguns sites chineses do exterior. A AFP conseguiu entrar em contato com Fu.

As dúvidas de Fu e de sua redação se remontam a julho. O escândalo do leite eclodiu no início de setembro em alguns meios de comunicação. Depois adquiriu magnitude nacional e internacional, a partir do dia 11 e quando a Sanlu, a principal empresa acusada, admitiu que seu leite em pó para bebês estava contaminado com melamina, um produto tóxico.

O número de crianças doentes disparou em poucos dias, chegando a 53.000. Quatro bebês morreram. A primeira morte havia ocorrido no dia 1o de maio

Segundo a agência responsável pelo controle de qualidade, os produtos procedem de 20 empresas. Um total de 154 fabricantes foram investigados, o que representa 70% do mercado chinês de leite em pó.

A melamina é uma substância tóxica utilizada na fabricação de colas e resinas. Quatro bebês morreram e mais de 50.000 crianças tiveram problemas reinas após ingerir a substância.

A adição deste produto químico faz com que o percentual de proteínas do leite pareça mais elevado e oculta a adição de água na bebida.

No final de semana passado, o primeiro-ministro Wen Jiabao assegurou que as autoridades "haviam enfrentado francamente (o problema) e preparado as bases para resolvê-lo".

Mas algumas fontes indicam que a China quis enterrar o assunto, apesar de a Sanlu ter recebido as primeiras queixas de pais preocupados no final de 2007 e ter confirmado a partir de junho --dois meses antes dos Jogos Olímpicos-- a presença de melamina em seu leite em pó.

"Segundo vários jornalistas, é cada vez mais claro que as autoridades impediram em julho uma investigação sobre o leite tóxico para não arranhar a imagem da China antes dos Jogos Olímpicos", de 8 a 24 de agosto, indicou a Repórteres sem Fronteiras em um comunicado.

As autoridades comunistas locais foram informadas sobre a presença de melamina no leite da Sanlu em 2 de agosto, seis dias antes do começo dos Jogos.

ph-jg/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.