Tamanho do texto

Um novo estudo afirma que o etanol de celulose impõe menos custos para a saúde humana e o meio ambiente do que o etanol de milho que, por sua vez, teria um impacto maior do que o gerado pela gasolina. O etanol de milho é consumido em grande escala nos Estados Unidos.

A pesquisa, realizada pela Universidade do Minnesota, calcula os custos ambientais e de saúde do etanol de celulose entre 19 e 31 centavos de dólar por galão - menos da metade do custo gerado pela gasolina, estimado em 71 centavos.

Já o etanol de milho teve o pior resultado, com custos estimados entre 72 centavos e US$ 1,45 por galão, dependendo da tecnologia empregada na produção. "Esses custos não são pagos por aqueles que produzem, vendem ou compram gasolina ou etanol. O público paga esses custos", afirmou Stephen Polasky, coautor do estudo e professor do departamento de economia aplicada da universidade.

O estudo, o primeiro a estimar os custos econômicos para a saúde humana e o meio ambiente dos três combustíveis, será publicado no jornal de Procedimentos da Academia Nacional de Ciências este mês. As informações são da Dow Jones.