Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

IGP-M verifica em agosto deflação de 0,32%, a primeira desde 2006

SÃO PAULO - O Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) apresentou em agosto queda de 0,32%, uma inversão da direção verificada um mês antes, quando subiu 1,76%. Todos os componentes do indicador influenciaram no resultado, especialmente o índice de preços por atacado, que registrou deflação. Esta foi a primeira deflação mensal apresentada pelo índice desde abril de 2006, quando o IGP-M caiu 0,42%.

Redação com agências |

 

Pelo relatório do Banco Central (BC) mais recente, os analistas consultados apostavam em um declínio de 0,11% para o IGP-M de agosto. No acumulado do ano, conforme pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgada nesta quarta-feira, o índice cresceu 8,35% e, em 12 meses, teve acréscimo de 13,63%.

Depois de uma elevação de 2,20% em julho, o Índice de Preços ao Atacado (IPA), que representa 60% do indicador geral, apresentou agora diminuição de 0,74%. Os produtos agropecuários declinaram 4,81%, seguindo alta de 3,69% no mês passado. Os produtos industriais recuaram para 0,87% após elevação de 1,63% em julho.

Dos três estágios de produção componentes do IPA, as Matérias-Primas Brutas ficaram no território negativo, com redução de 4,71% em agosto. Um mês antes, tinham avançado 3,78%. Bens Intermediários cresceram 1,28% e Bens Finais aumentaram 0,32%, sucedendo ampliação respectiva de 2,51% e 0,38% em julho.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que responde por 30% do IGP-M, expandiu-se 0,23% este mês, com abrandamento ante o 0,65% anotado em julho. Influenciou nesta desaceleração o comportamento do grupo Alimentação, que saiu de uma elevação de 1,41% no mês passado para uma baixa de 0,46% agora. Nesta classe de despesa, tiveram impacto itens como carnes bovinas (6,29% para -0,30%), hortaliças e legumes (-0,97% para -6,51%) e arroz e feijão (5,11% para -1,65%).

O Índice Nacional do Custo da Construção (INCC), representativo de 10% do indicador geral, foi de um aumento de 1,42% em julho para 1,27% no mês seguinte. Com decréscimo em suas taxas de variação, apareceram Mão-de-Obra, que saiu de 1,27% para 0,25% de aumento, e Serviços, com ampliação de 0,50% ante o 1,09% do mês passado. O indicador referente a Materiais, contudo, teve crescimento mais marcado, de 2,51%, perante o 1,65% do levantamento anterior.

A taxa acumulada do IGP-M é usada para no cálculo do reajuste para preços de contratos de aluguel e de algumas tarifas de energia elétrica. O período de coleta de preços para cálculo do IGP-M desse mês foi do dia 21 de julho a 20 de agosto.

(Com informações do Valor Online, Agência Estado e Reuters)

Leia mais sobre inflação

Leia tudo sobre: inflação

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG