RIO - O Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) recuou 0,45% na primeira leitura deste mês, o que implica uma inversão de direção em relação a igual período de fevereiro, quando avançou 0,42%. O resultado foi influenciado pelo declínio nos preços no atacado, especialmente dos produtos agropecuários.

Pelo levantamento da Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgado nesta quarta-feira, o IGP-M teve expansão de 6,59% em 12 meses. No acumulado do ano por ora, o indicador apresenta decréscimo de 0,62%.

Representante de 60% do IGP-M, o Índice de Preços ao Atacado (IPA) abandonou a elevação de 0,49% apurada na parcial de fevereiro e marcou agora queda de 0,71%. Os produtos agropecuários cederam 2,09% e os produtos industriais diminuíram 0,25%, seguindo ampliação respectiva de 1,49% e 0,12% da pesquisa antecedente.

Dos três estágios de produção componentes do IPA, dois verificaram deflação neste estudo - os Bens Intermediários caíram 0,60% e as Matérias-Primas Brutas declinaram 1,90%. A exceção coube aos Bens Finais, que subiram 0,04%.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que responde por 30% do IGP -M, aumentou 0,03% na medição inicial de março, depois de elevação de 0,21% em igual intervalo de fevereiro. O abrandamento no ritmo de alta foi consequência especialmente do movimento dos grupos Alimentação, que saiu de uma queda de 0,08% na parcial do mês passado para recuo de 0,51% nesta pesquisa, e Educação, Leitura e Recreação, que foi de 1,50% para 0,08%.

"Na primeira classe de despesa (Alimentação), as maiores contribuições partiram dos itens: carnes bovinas (-1,03% para -3,54%), hortaliças e legumes (0,49% para -0,75%) e arroz e feijão (0,55% para -2,04%). Na segunda (Educação), o destaque foi o item cursos formais, cuja taxa de variação passou de 2,29%, no mês anterior, para 0,05%, nesta apuração", observou a FGV em nota.

O Índice Nacional do Custo da Construção (INCC), representativo de 10% do indicador geral, deixou um acréscimo de 0,43% na primeira prévia de fevereiro para expansão de 0,16% em intervalo correspondente do mês seguinte. O indicador relativo a Materiais, equipamentos e serviços subiu 0,20% e Mão-de-Obra aumentou 0,11%, contra 0,47% e 0,39%, na ordem, da pesquisa inicial de fevereiro.

O primeiro decêndio do IGP-M de março compreendeu o intervalo entre os dias 21 e 28 do mês de fevereiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.