Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

IEA: preços recebidos pelos produtores de SP caem 0,78% em outubro

São Paulo, 5 - Os preços recebidos pelos produtores rurais paulistas caíram 0,78% em outubro, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo. Os cálculos mostram que o Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR) foi pressionado pelos produtos de origem animal, cujo indicador (IqPR-A) recuou 3,45%.

Agência Estado |

O índice dos produtos de origem vegetal (IqPR-V) fechou em alta de 0,29%.

Segundo o IEA, no acumulado dos últimos doze meses, o índice de produtos agropecuários subiu 17,72%. Os produtos vegetais tiveram alta de 12,98% e os produtos de origem animal subiram 28,40%. No acumulado de janeiro a outubro o indicador geral subiu 6,29%. Os preços de origem vegetal subiram 3,78% e os de origem animal 11,98%.

Os produtos do IqPR que registraram altas no mês de outubro foram batata (29,20%), arroz (5,06%), carne suína (2,74%), banana nanica (1,53%), cana de açúcar (1,41%) e carne bovina (1,26%). Os técnicos comentam que houve recuperação nos preços da batata, em relação à baixa muito acentuada ocorrida em setembro, quando atingiu R$ 15,95 por saca de 50 kg. Para o arroz produzido em São Paulo, os preços mantiveram-se praticamente constantes na variação semanal, mas mantiveram a alta quadrissemanal, na contramão do arroz gaúcho (que abastece a maior parte do mercado paulista) que teve baixa significativa de preços no mês de outubro.

Os técnicos observam que os preços da carne suína não mantiveram o ritmo de alta dos últimos meses, por causa do recuo das cotações das proteínas animais alternativas, como frango e ovos. A alta de 2,74% em outubro ficou bem abaixo dos 8,79% registrados em setembro. "Nos últimos 15 dias os suinocultores catarinenses tiveram redução de 20% em seus preços recebidos. Esse quadro indica forte possibilidade do consumidor brasileiro ter sua ceia de Natal com preços mais acessíveis nas proteínas, compensando o encarecimento dos produtos importados."

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG