Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

ICV em São Paulo fecha 2008 com maior alta desde 2004

SÃO PAULO - O Índice de Custo de Vida (ICV) na capital paulista mostrou desaceleração em dezembro, quando subiu 0,10%, ante variação de 0,53% em novembro. A alta mais suave no último mês do ano levou o indicador a fechar 2008 com alta de 6,11%.

Valor Online |

Mesmo assim, essa é a maior variação anual desde 2004, quando o ICV medido pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) fechou com elevação de 7,70%.

Dentre os nove grupos de consumo pesquisados, a maior alta, de 9,90%, foi verificada em Alimentação, com destaque para os in natura e semi-elaborados, que subiram 10,53%. As carnes avançaram 21,74% no período e os legumes subiram 27,90%, puxados pela alta do tomate, de 66,52%.

O Dieese destaca que apesar de a alta do grupo ter sido forte no ano, o comportamento do último semestre do ano passado mostrou tendência declinante no nível de aumento de preços de Alimentação.

Em dezembro, por exemplo, a queda de 0,20% no grupo Alimentação teve forte participação na desaceleração do ICV, de 0,53% para 0,10%. Ainda assim, os dados não são suficientes para afastar a hipótese de novos aumentos nos próximos meses.

Habitação também contribuiu significativamente para o ICV, com aumento de 7,65% no ano. Além da alta de materiais de construção (+11,61%), o subgrupo formado por custo de locação, condomínio e impostos aumentou 8,04%. Serviço doméstico avançou 10,08% no ano.

No grupo Despesas Pessoais, cujos custos avançaram 7,08%, destaque para o aumento do sabonete 29,36%. Os grupos Saúde e Educação e Leitura tiveram variações mais ajustadas ao índice como um todo e subiram 4,44% e 5,25%, respectivamente.

Os grupos que apresentaram comportamento mais discreto no período foram Transporte (+2,16%), Recreação (+1,68%), Vestuário (+0,53%) e Equipamentos domésticos, que registrou deflação de 1,38% em 2008, sob influência da baixa dos preços de eletrodomésticos (-3,14%).

A aceleração de preços no conjunto de produtos e serviços pesquisados pela entidade mostra que dentre os três estratos de renda monitorados, o que mais sentiu a alta foi o perfil de renda mensal mais baixa, de R$ 377,49. Para esse grupo, a alta no custo de vida foi de 6,75%.

No grupo intermediário (com renda de R$ 934,17) a alta também foi mais forte do que a média geral e alcançou 6,16%. Já o estrato máximo de renda (R$ 2.792,90) registrou em 2008 aumento de 5,92% no ICV.

(Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG