O Ibovespa ensaiava hoje recuperação, em um dia de tranqüilidade relativa nos mercados acionários mundiais, impulsionado principalmente pelas ações de siderurgia, que sobem junto com as de suas pares internacionais, e por papéis que foram duramente descontados nas últimas sessões da Bovespa. Apesar da tentativa de correção técnica nesta quinta-feira, contudo, o clima nas mesas de operação ainda é de alerta.

"Hoje o mercado de câmbio está menos estressado e isso também contribui para a alta deste momento", comentou um operador. "Mas ainda não dá para dizer que essa recuperação é firme".

Há pouco, o Ibovespa subia 1,07%, aos 39.005 pontos, após ter alcançado máxima de 40.479 pontos mais cedo, com ganho de 4,89%. A desaceleração na alta do índice está fortemente relacionada ao desempenho dos índices acionários norte-americanos, que operavam em alta e inverteram o rumo. Dow Jones caía 1,54%, Nasdaq perdia 0,67% e S&P 500, -1,85%.

Dentre as altas, destaque para as ações de siderurgia, que se revezam entre os maiores ganhos do índice, e as units da ALL, que disparavam 15,23% há pouco. "Muitos papéis que perderam muito nos últimos dias se recuperam bem hoje", apontou outro operador. Caso da ALL, que além da baixa acumulada de 24,23% em outubro, divulgou ontem prévia dos resultados do terceiro trimestre, mostrando crescimento de receita e margem operacional.

BM&FBovespa ON também subia nesta sessão, recuperando-se de tombo recente. Há pouco, alta era de 6,71%. Ontem, a BM&FBovespa confirmou que o número de negócios registrado na Bolsa paulista, 409.788, foi recorde. O giro financeiro também foi elevado, de R$ 7,402 bilhões, o terceiro maior do ano. "Como a receita da BM&FBovespa está atrelada ao volume de negócios na Bolsa, essa informação é bastante positiva", explicou um analista do setor financeiro.

As ações ON da Rossi, que freqüentaram a lista de maiores baixas do Ibovespa diante a revisão, para baixo, das projeções de lançamentos da companhia neste ano e no próximo, hoje apareciam na ponta oposta. Há pouco, o ganho era de 4,37%. Em relatório, o Credit Suisse aponta que a revisão de perspectivas e o aumento de capital de R$ 150 milhões aprovado pelo conselho da companhia são positivos porque indicam que a companhia adotou uma postura mais conservadora em termos financeiros. A casa reitera a Rossi como uma das top picks no setor de construção.

Dentre as siderúrgicas, Metalúrgica Gerdau PN figurava entre as maiores altas do Ibovespa pouco antes do meio-dia, com alta de 4,98%. No mesmo horário, Gerdau PN subia 4,32%; Usiminas ON, +3,50%; Usiminas PNA, +3,02%; e CSN ON, +2,12%. Mais cedo, a ArcelorMittal reiterou suas projeções para o terceiro trimestre e para o segundo semestre deste ano, "apesar da crise financeira global, da desaceleração da economia
chinesa e da forte redução nos estoques que acontece atualmente no mercado de aço". O comunicado impulsionou as ações do setor no exterior.

Há pouco, as maiores baixas do Ibovespa eram representadas por Friboi ON (-9,51%), Oi ON (-4,49%), Gafisa ON (-4,42%), Light ON (-4,09%), Sabesp ON (-2,82%), Duratex PN (-2,71%), Lojas Americanas PN (-2,85%) e B2W ON (-2,24%). Conforme operadores, uma ou outra ação ainda reflete o desmonte de operações a termo, o que jogou para baixo diversos papéis na última semana, e temores em relação a possíveis perdas com operações no mercado futuro de câmbio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.