Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ibovespa acompanha cenário externo e abre em baixa

O medo de recessão em economias importantes e dados ruins dos Estados Unidos, divulgados esta manhã, ameaçam a continuidade de recuperação da Bolsas de Valores de São Paulo (Bovespa), que fechou em alta nos dois últimos pregões, quando o índice Bovespa conseguiu retomar a marca dos 41 mil pontos. Às 10h10 (de Brasília), o Ibovespa cedia 4,55%, a 39.

Agência Estado |

675 pontos, na mínima do dia até o momento. Neste horário, nenhuma das mais de 60 ações que compõem o índice operavam em alta.

Hoje, a presidente da unidade distrital de São Francisco do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), Janet Yellen, disse que a economia americana parece estar em recessão, já que as pressões inflacionárias diminuíram substancialmente. Segundo ela, a economia dos EUA deve permanecer estável no terceiro trimestre deste ano, enquanto no quarto trimestre "é provável que ocorra uma contração".

Esta manhã, o Fed de Nova York informou que o índice de atividade da região desabou a mínima recorde em outubro, de -24,62. As vendas no varejo dos EUA em setembro mostram retração maior do que a estimada, caindo pela terceira vez seguida no mês passado, em 1,2%, no maio declínio desde agosto de 2005. Já o Índice de Preços ao Produtor nos Estados Unidos (PPI, na sigla em inglês) de setembro veio em linha com as previsões, ao registrar queda de 0,4%. Mas o núcleo do índice, que exclui as variações de preços de alimentos e energia, subiu 4% em setembro ante setembro do ano passado, a maior variação desde fevereiro de 1991.

Os investidores ainda têm de digerir os balanços financeiros divulgados entre a noite de ontem e esta manhã por empresas americanas. O banco JPMorgan informou hoje cedo queda de 84,5% no lucro líquido do terceiro trimestre deste ano, ante igual intervalo do ano passado. O banco, um dos que deverá tomar parte do programa de recapitalização de US$ 250 bilhões do governo dos EUA, informou baixas contábeis de US$ 3,6 bilhões em hipotecas e créditos alavancados e registrou perdas de US$ 640 milhões relacionadas à compra do Washington Mutual. Outro banco, o Wells Fargo, anunciou queda de 22% no lucro líquido no terceiro trimestre, para US$ 1,64 bilhão.

E a Bovespa sofre ainda com a queda das matérias-primas (commodities). Hoje, o petróleo é negociado abaixo de US$ 77 o barril tanto em Londres quanto em Nova York, pela primeira vez em mais de um ano. Os metais básicos também operam em queda, acompanhando o recuo nos mercados de ações, com investidores realizando lucro após dois dias de alta.

Aqui, ainda como parte do programa de liberação dos depósitos compulsórios que pode injetar no mercado até R$ 100 bilhões, o BC anunciou ontem à noite a redução do depósito compulsório para os depósitos à vista, de 45% para 42%. Com isso, devem ser liberados até R$ 3,6 bilhões a partir de 29 de outubro.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG