Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ibovespa abre em alta, acima dos 61 mil pontos

O índice Bovespa abriu o pregão de hoje em alta, mas já transitou pelo território negativo, voltou para o positivo e a previsão é de que essa volatilidade persista durante o dia. A agenda cheia de indicadores nos EUA é uma prova para os investidores.

Agência Estado |

O fato de a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) ter fechado no azul dois dias consecutivos não significa uma mudança de tendência ou descolamento de Nova York. Pelo contrário, os temores continuam e a cada nova notícia - boa ou ruim - o mercado aqui reage acompanhando a performance de Wall Street.

Hoje o dia pode ser separado em dois momentos, segundo um operador, o antes e o depois da divulgação da ata do Federal Reserve (Fed, banco central americano), prevista para as 15 horas (de Brasília). "A volatilidade vai dominar os negócios, pelo menos, até a divulgação do Fed, quando as bolsas podem definir uma tendência até o encerramento dos negócios", disse.

Às 10h21, o Ibovespa registrava alta de 0,27% a 61.181 pontos. Até este horário, o índice já variou entre a mínima de -0,11% e a máxima de +0,33%. Em Nova York, o índice futuro Nasdaq subia 0,44% e o S&P-500 futuro, 0,31%.

Nesta manhã já foi divulgado o índice de preços ao consumidor (CPI) nos Estados Unidos, que veio salgado. O indicador subiu 1,1% em junho ante maio, a maior alta mensal desde junho de 1982, informou o Departamento de Comércio dos EUA. O núcleo do CPI, que exclui preços de energia e alimentos, subiu 0,3%. Hoje, a França também divulgou a maior alta em 17 anos dos preços ao consumidor em junho; a Alemanha, em 14 anos. As bolsas européias expressam bastante preocupação com o cenário para os bancos, com Société Générale, Fortis e Natixis liderando as perdas de cerca de 1% nas principais praças da região. Às 10h18, Londres perdia 1,40%, Paris tinha queda de 0,43% e Frankfurt, -0,02%.

No cenário doméstico, a boa notícia é que o Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) desacelerou para 0,69% na semana encerrada ontem, ante 0,79% na semana anterior (até dia 7 de julho).; por outro lado, o IGP-10 de julho fez o caminho contrário, fechando em alta de 2%, ante 1,96% de junho. "A inflação doméstica só preocupa se ela vier muito acima do esperado. O que importa são os números lá fora", diz um outro profissional do mercado de ações, comentando que os números de inflação não devem influenciar os negócios na Bolsa hoje.

Em tempo: a Vale define hoje o preço da oferta de até 445,9 milhões de ações, entre PNA e ON. Um operador lembra que tradicionalmente nas subscrições, os preços saem abaixo do praticado no mercado à vista, uma vez que os investidores antes da oferta vendem seus papéis na Bolsa, principalmente se há lucro a realizar, para comprá-los com desconto na subscrição. Apesar do momento de volatilidade e aversão ao risco que o mercado atravessa, a expectativa é de que a oferta da Vale seja bem-sucedida.

Leia tudo sobre: bovespa

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG