Tamanho do texto

A Hungria não conseguiu chegar a um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a União Europeia (UE) que permitiria ao país continuar acessando uma linha de crédito auxiliar recebida em 2008

A Hungria não conseguiu chegar a um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a União Europeia (UE) que permitiria ao país continuar acessando uma linha de crédito auxiliar recebida em 2008. "Embora concordemos em muitas coisas, um série de questões permanece em aberto", informou o FMI em comunicado no sábado, depois de concluir uma avaliação da ajuda financeira.

O euro disparou quase 3% em relação ao florim, a moeda húngara, na abertura dos negócios de hoje. A Bolsa da Hungria caiu 4% na abertura, com as ações do maior banco do país, o OTP, recuando 8,5%. A Hungria foi o primeiro país da UE a obter ajuda após a crise financeira. O país foi duramente afetado por causa de sua política fiscal negligente e seu alto endividamento externo. A linha de crédito de 20 bilhões de euros, obtida em 2008 com o FMI, a UE e o Banco Mundial, termina em outubro.

O chefe da missão do FMI para a Hungria, Christoph Rosenberg, disse que o país enfrenta desafios fiscais e que o FMI continua aberto a discussões. "Há uma série de questões em aberto. A Hungria continua a enfrentar desafios, não apenas para este ano, mas principalmente para 2011, mas o FMI está pronto para prosseguir com o diálogo", disse Rosenberg.

A maior parte das questões que permaneceram em aberto está relacionada à área fiscal, principalmente à sustentabilidade de medidas fiscais que foram planejadas, afirmou Rosenberg. A Hungria se comprometeu com uma meta de déficit fiscal de 3,8% do Produto Interno Bruto (PIB) para 2010 como umas das condições para receber a linha de crédito. Para 2011, o governo pretende reduzir o déficit do orçamento, mas ainda não se sabe para que nível, informou Rosenberg. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.