BRASÍLIA - As horas trabalhadas na produção da indústria nacional subiram 0,5% em julho no confronto com o mês anterior, pelo critério dessazonalizado, e 2,7% sem ajuste sazonal, informou hoje a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Na comparação com julho de 2007, foi observada elevação de 7,2% nas horas trabalhadas na produção. No ano, o avanço correspondeu a 6,1%.

Segundo a CNI, as horas trabalhadas - que são um indicador de produção - vêm crescendo há 12 meses seguidos, o período mais longo de elevação desde 2003.

Por sua vez, o nível de emprego na indústria de transformação expandiu-se em 0,6% de junho para julho, no indicador com e sem ajuste sazonal. Considerando-se o índice dessazonalizado, o número de trabalhadores vem aumentando há 32 meses consecutivos.

Ante julho de 2007, o aumento no emprego foi de 4,4%.

Nos sete primeiros meses do ano ano, o crescimento do nível de emprego equivaleu a 4,4% e 15 dos 19 setores pesquisados pela CNI registraram mais contratações do que demissões.

Já a massa salarial real da indústria de transformação cresceu 3,5% no mês em julho, depois de recuar 0,7% em junho. Com relação ao mesmo mês do ano passado, a entidade apurou elevação de 5,7%.

No acumulado de 2008, a alta foi de 5,6%. Nesse intervalo, segundo a CNI, três setores registraram aumento de dois dígitos na remuneração dos empregados: outros equipamentos de transporte (15,6%), veículos automotores (11,8%) e máquinas e equipamentos (11,7%).

Relatório da entidade destaca que o crescimento da atividade industrial apurado em julho é relevante por ocorrer sobre uma base de comparação alta, que foi verificada em junho. Os técnicos notam que o normal seria ocorrer uma acomodação em julho, ou até mesmo devolução de parte do crescimento de junho. Para eles, o comportamento visto confirma que a atividade da indústria nacional terá uma evolução intensa no segundo semestre de 2008.

(Azelma Rodrigues | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.