Tamanho do texto

Pesquisa conduzida por laboratórios de cinco países sul-americanos com 9.251 pessoas no Brasil mostrou que 46% da população sente algum tipo de desconforto com o começo do horário de verão.

A mudança ocorre à zero hora de domingo, quando os relógios serão adiantados em uma hora, e termina à meia-noite de 14 de fevereiro, nas Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Essa abrangência é explicada pelo fato de, nos Estados que compõem essas regiões, ser possível um aproveitamento mais eficiente da luz solar nesta época do ano. Entre os distúrbios resultantes da mudança está a dificuldade para dormir e a sonolência pela manhã. O corpo humano se prepara para acordar poucas horas antes do nascer do sol: a temperatura começa a aumentar, e o hormônio cortisol atinge seu pico no organismo.

Mas quando, como no horário de verão, se é obrigado a acordar mais cedo, essas reações ficam fora de sintonia. O resultado desse desajuste é um sono mais curto, que leva à sonolência e à conseqüente falta de atenção, além de dificuldades de memória e outros problemas, que variam de pessoa para pessoa.

Para Mario Pedrazzoli, psicobiólogo e geneticista do sono da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o ideal seria que as pessoas adaptassem o relógio biológico. Uma forma seria adiantar os horários de refeições em uma hora. "Caso isso não ocorra, o ideal é manter horários próximos e não almoçar um dia às 12 horas e no outro às 14 horas, porque isso desregula o organismo."

Outra opção se assemelha ao período de adaptação a um fuso horário diferenciado. "Não tem muito o que fazer agora, que estamos perto da mudança de horário. Mas valeria começar uma semana antes a dormir mais cedo, para acostumar o organismo", diz. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.