Tamanho do texto

SÃO PAULO - A continuidade do ambiente instável na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) em julho manteve os pequenos investidores retraídos pelo segundo mês consecutivo. Tal constatação pode ser retirada dos dados sobre as operações via Home Broker, sistema que permite a colocação de ordens de compra e venda de ações pela internet.

Segundo a Bovespa, o número de investidores que utiliza o sistema caiu em 17,7%, para 190.380, contra 231.316 em junho. Em comparação com maio, último mês que o sistema registrou expansão, o número de investidores já caiu em 28%, ou seja, 76.694 investidores a menos. Já o número de corretoras que oferecem o serviço subiu de 58 para 60 entre junho e julho.

Tal retração dos investidores não é de se estranhar, já que a bolsa brasileira amargou perda de 8,48% durante o mês passado, vindo de uma desvalorização de 10,43% em julho. Assim como junho, o mês passado também foi marcado pela incerteza quanto ao preço das commodities, dúvidas sobre o crescimento da economia mundial e saída constante do investidor estrangeiro.

O volume total negociado via Home Broker recuou de R$ 28,36 bilhões em junho, para R$ 25,83 bilhões no mês passado, retração de 8,91%. De maio para junho, a queda fora mais acentuada, de 23%, encerrando uma série de recordes.

Os dados também mostram redução na média diária, de R$ 1,35 bilhão, para R$ 1,17 bilhão. A quantidade total de negócios e a média diária também recuaram, saindo de 2,73 bilhões e 129.889 transações em junho, para 2,58 bilhões e 117.289 no mês passado.

Ainda de acordo com a Bovespa, a participação do Home Broker no volume total caiu de 11,62%, para 11%, diminuindo também sua fatia na quantidade total de negócios para 25,99% no mês passado, ante 29,26% em junho. O valor médio por ordem apresentou retração de R$ 10.396, para R$ 10.009. Em maio, a média era de R$ 11 mil.

Apesar do recuo no Home Broker e do mercado pouco convidativo às aplicações, a base de investidores pessoa física continuou crescendo em julho. Segundo a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC) o mês acabou com 528.769 investidores individuais cadastrados, um aumento de 2,32% sobre os 516.757 CPFs registrados no final de junho.

E os clubes de investimento, outra forma de participação do pequeno investidor na Bovespa, seguiram em expansão. Durante o mês passado, 79 clubes de investimento foram criados, elevando para 617 o número de novos registros em 2008. No total, a Bovespa encerrou o mês com 2.650 clubes cadastrados.

Segundo os últimos dados disponíveis, referentes a junho de 2008, o patrimônio líquido dos clubes somava de R$ 17,6 bilhões, divididos entre 153.434 cotistas.