A GVT (holding) divulgou há pouco, em fato relevante, que, em razão da aceitação da oferta pública de aquisição (OPA) de ações ordinárias, realizada hoje, por acionistas representando mais de dois terços dos papéis habilitados para o leilão, o registro de companhia aberta da empresa deverá ser cancelado "com a devida aprovação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM)". O controle da companhia foi adquirido pela francesa Vivendi em novembro de 2009.

A GVT (holding) divulgou há pouco, em fato relevante, que, em razão da aceitação da oferta pública de aquisição (OPA) de ações ordinárias, realizada hoje, por acionistas representando mais de dois terços dos papéis habilitados para o leilão, o registro de companhia aberta da empresa deverá ser cancelado "com a devida aprovação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM)". O controle da companhia foi adquirido pela francesa Vivendi em novembro de 2009. A OPA de ações ordinárias da GVT movimentou R$ 967,542 milhões. Das 17.788.607 ações ofertadas, 16.647.327 ações foram compradas, o equivalente a 93,6% do total. A companhia informa ainda que a participação atual da Vivendi na GVT corresponde a 99,17% (136,1 milhões de ações das 137,2 milhões de ações do capital total). A GVT deverá realizar assembleia geral extraordinária para aprovar o resgate das ações remanescentes pelo mesmo preço da oferta (ajustado pela Selic desde a data da liquidação da oferta até a data de pagamento do resgate). A empresa de telefonia lembra que, conforme a regulamentação brasileira, os acionistas que desejarem vender suas ações pelo preço da oferta (ajustado pela Selic) poderão fazê-lo nos próximos três meses.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.