Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Gustav perde força e petróleo fecha em baixa

Depois de dias de ansiedade, o furacão Gustav atingiu hoje a costa da Louisiana e desencadeou uma onda de vendas nas transações eletrônicas de contratos futuros de petróleo em Londres e Nova York, apesar da incerteza com relação ao seu principal impacto nas plataformas de petróleo e refinarias da região, segundo operadores e analistas. Às 18h35 (de Brasília), no sistema eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), na plataforma Globex, os contratos de petróleo para outubro estavam em US$ 111,22 por barril, em queda de US$ 4,24, ou 3,67%; com uma mínima de US$ 110,60 e máxima de US$ 118,60.

Agência Estado |

Todas as transações na Nymex ocorreram na plataforma eletrônica, uma vez que o pregão viva-voz não abriu em virtude do feriado do Dia do Trabalho nos EUA. Não haverá um preço de fechamento hoje e as transações de amanhã vão considerar como valor de fechamento anterior as cotações do pregão de sexta-feira.

Em Londres, no sistema eletrônico da Bolsa Intercontinental, os contratos de petróleo Brent para outubro fecharam a US$ 109,41 por barril, queda de US$ 4,64, ou 4,07%. A mínima foi de US$ 109,17 e a máxima de US$ 115,56.

Operadores alertaram que a liquidação de hoje pode ser revertida quando as companhias de petróleo avaliarem o impacto de Gustav. Contudo, os informes iniciais, embora ainda escassos, sugerem que Gustav pode ter atingido menos a infra-estrutura de energia do que se temia e as refinarias podem ter sido poupadas de qualquer dano duradouro. O Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC) disse que Gustav se enfraqueceu para furacão de categoria 1 nesta tarde, enquanto se aproximava de Lafayette (Louisiana).

As companhias de energia melhoraram seus equipamentos desde 2005, fortalecendo as âncoras das plataformas - que destruíram os oleodutos submersos quando ficaram à deriva após a passagem dos furacões Katrina e Rita - e ergueram os geradores das refinarias para mantê-los secos. A operadora de sondas de perfuração Transocean Inc disse que a amarração de suas plataformas parecia intacta e a Diamond Offshore Drilling Inc disse que suas plataformas ainda estavam no lugar.

"Estávamos melhor preparados para este furacão do que qualquer outro furacão na história da indústria de petróleo", disse Phil Flynn, analista sênior do mercado da Alaron Trading Corp em Chicago. "Ao contrário de Katrina, que virou na última hora, todos estavam preparados para este furacão", acrescentou. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG