Paris, 17 out (EFE).- O Caisse dEpargne, grupo que reúne as cadernetas de poupança francesas, reconheceu hoje a perda de 600 milhões de euros na bolsa por um grave incidente de mercado durante a semana passada.

"Por causa da extrema volatilidade dos mercados e do afundamento da bolsa da semana de 6 de outubro, o grupo Caisse d'Epargne teve um grave incidente de mercado na atividade de derivados de ações que se traduziu em uma perda da ordem de 600 milhões de euros", explicou em comunicado.

A entidade ressaltou que esta perda, em uma atividade "independente de sua tesouraria", se detectou durante os "procedimentos de controle".

Também insistiu que ela "não afeta a solidez financeira do grupo e não tem nenhuma conseqüência sobre a clientela", levando em conta que dispõe de mais de 20 bilhões de euros de fundos próprios e de "grande liquidez".

Assegurou que "se tomaram imediatamente as medidas necessárias para saldar esta perda", que houve "sanções" -sem precisar contra quem- e que o grupo informou o fato às autoridades de supervisão.

Eeste incidente lembra que o banco francês Société Générale denunciou em janeiro ter sofrido perdas de 4,9 bilhões de euros por causa das práticas supostamente fraudulentas de um de seus operadores de mercado, Jérôme Kerviel.

O Caisse d'Epargne encontra-se atualmente em fase de negociações para fusão com Banque Populaire, com o objetivo de criar o segundo banco do país com mais de 40 bilhões de euros de fundos próprios e uma rede de 8.200 filiais.

A ministra da Economia francesa, Christine Lagarde, que se declarou "frustrada" e "desalentada" por estas perdas, disse que esta manhã acionou a Comissão Bancária para que determine "o que se passou no mercado de derivados de ações" e realizar "um controle sobre o conjunto das ações de mercado da Caisse d'Epargne". EFE ac/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.