Tamanho do texto

SÃO PAULO - A MMX Mineração a MPX Energia, empresas do grupo EBX, do empresário Eike Batista, divulgaram nota há pouco confirmando que a Polícia Federal (PF) realizou diligências hoje em estabelecimentos da controlada MMX Amapá tanto no estado do Amapá como no Rio de Janeiro, em cumprimento a mandados de busca e apreensão ligados a uma investigação sobre supostas irregularidades no processo de licitação da concessão da Estrada de Ferro do Amapá.

No comunicado, a MMX Amapá nega que tenha cometido qualquer tipo de irregularidade ou ilícito nas ações ligadas a licitação.

Em relação à acusação de possível desvio de ouro lavrado nas minas do interior do estado, a empresa diz que não realiza quaisquer atividades de mineração de ouro no Amapá ou em qualquer outra região do Pais.

A MMX Amapá disse ainda que entrou com pedido perante o Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, para ter acesso a qualquer investigação contra a empresa e informou que o pedido foi aceito, embora ainda não tenha sido cumprido.

Ainda na nota, a companhia ressalta que não existe qualquer ordem de detenção ou denúncia criminal que tenha sido oferecida contra os executivos da MMX ou de quaisquer outras empresas do grupo.

Segundo investigação da PF, há indícios de direcionamento para que as empresas do grupo de Eike vencessem a licitação, com o ajuste prévio de cláusulas favoráveis às empresas deste grupo. A manobra das exigências para a habilitação dos participantes teria afastado outros concorrentes do processo.

Em operação deflagrada hoje, com o nome de Toque de Midas, a PF tinha como objetivo cumprir 12 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal do Amapá, incluindo buscas na casa do empresário Eike Batista.

Por volta das 16h05, as ações ON da MMX Mineração, primeira empresa da holding a chegar à Bovespa, caíam 8,88%, para R$ 46,66. O papel ON da MPX Energia, empresa criada para atuar na geração elétrica, perdia 11,39%, para R$ 699,99. E os papéis da mais recente empreitada de Batista, a OGX Petróleo recuavam 9,52%, para R$ 819,89.

(Valor Online)