Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Grécia pagará suas dívidas e não dará calote, diz premiê

A Grécia tem dado os passos necessários para resolver sua crise fiscal e não dará calote de suas obrigações, disse neste sábado o primeiro-ministro do país, George Papandreou, em discurso ao conselho nacional do partido socialista. A Grécia está pressionando por um pacote de ajuda concreto de seus parceiros da União Europeia (UE) que fique em standby, com o objetivo de ajudar a diminuir os custos de captação de empréstimos. Atualmente o país, que está altamente endividado, paga quase duas vezes mais que a Alemanha para refinanciar sua dívida.

Reuters |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237562627444&_c_=MiGComponente_C

Os líderes da UE devem discutir um mecanismo de suporte à Grécia quando se reunirem em Bruxelas nos dias 25 e 26 de março. O governo grego tem dito que pode se voltar ao Fundo Monetário Internacional (FMI), caso uma solução europeia para ajudar a gerenciar seu elevado nível de dívida não seja encontrada.

"Estejam todos certos de que a Grécia não dará calote, não deixaremos haver um calote. A Grécia tem um governo forte e pessoas corajosas. Estamos voltando a um caminho de estabilidade econômica", afirmou Papandreou.

O premiê vem pedindo ações para frear especulações que, segundo ele, tem elevado a máximas recordes a diferença dos juros pagos pelos títulos do governo em relação às taxas europeias de referência, o que se soma a tensões fiscais.

"Estamos construindo alianças dentro e fora da União Europeia. Estamos convencendo nossos parceiros sobre mudanças para definir limites a especuladores. Não estamos pedindo que ninguém pague nossas dívidas. Faremos isso sozinhos", disse.

"Queremos ser capazes de implementar com calma tudo que temos anunciado e aprovado", acrescentou Papandreou.

A Grécia, cuja proporção entre dívida e Produto Interno Bruto (PIB) chegou neste ano a 120%, enfrentará uma rodada de refinanciamento de dívida em abril e maio, quando vencem cerca de 20 bilhões de euros em emissões e cupons.

Leia mais sobre: Grécia

Leia tudo sobre: euroeuropaunião europeia

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG