Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Grécia diz buscar apoio, não dinheiro

A Grécia está em busca de apoio político, e não do dinheiro de seus parceiros na União Europeia (UE), assegurou ontem uma porta-voz do Ministério das Finanças do país. Toda essa conversa (de resgate financeiro) não passa disso mesmo: conversa, disse Filio Lanara.

Agência Estado |

Ainda segundo ela, o ministro das Finanças da Grécia, George Papaconstantinou, não está esperando nenhuma decisão concreta nas reuniões sobre o assunto previstas para hoje e amanhã. Nos encontros, a Grécia apresentará os primeiros resultados das medidas de austeridade impostas com o objetivo de combater o déficit orçamentário do país.

Diferentes fontes da UE apontaram que a forma mais viável de ajudar a Grécia, caso o país não possa obter financiamento a custos razoáveis, seria aprovar suas futuras emissões de dívida. No restante deste ano, Atenas tem de fazer frente a vencimentos no valor de 55 bilhões.

Desde que a crise grega explodiu, governos e instituições europeus tentam pôr em prática um mecanismo de urgência que seja compatível com as normas da união econômica e monetária, especialmente com a cláusula que proíbe assumir ou financiar diretamente a dívida de um país da zona do euro.

Não se trata de solidariedade à Grécia, cujos sucessivos governos foram acusados pela UE de terem agravado a crise falseando suas estatísticas, mas de evitar uma desestabilização do conjunto da zona do euro se a desconfiança nos bônus gregos acabar contagiando outros membros.

Na cúpula realizada em 11 de fevereiro, os países que têm o euro como moeda oficial prometeram agir de maneira "decidida e coordenada", se fosse o caso. Ao mesmo tempo, exigiram do governo grego que tomasse todas as medidas necessárias para reduzir o déficit público, atualmente em 12,7% do Produto Interno Bruto (PIB), para menos de 3% em 2012.

A Comissão Europeia (órgão executivo da UE) certificará hoje que o primeiro-ministro grego, George Papandreou, está cumprindo sua parte do pacto. Por isso, agora corresponde aos países da zona do euro definir - sem necessariamente tornar público - o mecanismo de resgate que utilizariam, se preciso, para salvar a Grécia.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG