Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Governo não decidiu qual tratamento dará ao setor de fertilizantes

O segmento de minérios usados para fertilizantes terá tratamento diferenciado dentro do novo marco regulatório mineral. O assunto será encaminhado separadamente do Código de Mineração anunciado ontem, de acordo com o secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia, Claudio Scliar.

Agência Estado |

A retirada desse item dentro das discussões gerais sobre as novas regras para o setor vem sendo defendida pelo ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes. Para ele, é preciso tratar o caso de forma isolada porque a questão é urgente para o setor.

Tanto o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, quanto Stephanes se dizem preocupados com a vulnerabilidade brasileira às importações, que representam 65% da demanda interna por fertilizantes. Por isso, foi criado um comitê para estudar o tema com mais profundidade. Ontem, Stephanes informou que o anteprojeto de lei com as propostas está praticamente concluído e deverá ser apresentado no próximo dia 29 ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Uma das questões que ainda estão em aberto é a criação de uma empresa estatal para atuar na área. Lobão disse que a nova empresa ainda está no campo das hipóteses. "Não há uma decisão", garantiu. Segundo ele, se o governo chegar à conclusão de que sua criação é necessária, a discussão passará, então, para outro nível: seu perfil de atuação.

Stephanes vem afirmando recentemente que essa empresa ou instituição a ser criada ficará com a responsabilidade apenas de coordenação da produção de fertilizantes.

Ontem, porém, Lobão disse que o martelo ainda não foi batido e que há dúvidas sobre se a empresa organizará todos os elos da cadeia ou se atuará na produção de fertilizantes também.

Além dos fertilizantes, também está na pauta de Stephanes com Lula a reelaboração do Código Florestal. É possível que o presidente anuncie seu veredicto sobre o maior embate entre os ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura neste campo: a metragem à beira de rios e riachos que não deve ser utilizada para a produção.

Enquanto o Meio Ambiente defende uma faixa fixa, a Agricultura quer que essa metragem seja calculada em função de fatores como tipo de solo e profundidade do rio.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG