Tóquio, 13 nov (EFE).- O ministro de Assuntos Financeiros, Shizuka Kamei, criticou hoje a decisão do Banco do Japão (BOJ) de retirar algumas medidas de estímulo e disse que a capacidade do banco central para reconhecer a realidade econômica é um pouco débil.

"O BOJ deve observar a economia real com mais detenção. É importante que tenha a capacidade de averiguar o que há por trás dos números", afirmou Kamei em entrevista coletiva.

Estas declarações se somam às do ministro das Finanças, Hirohisa Fujii, que acredita que é muito cedo para retirar as medidas monetárias para injetar liquidez à economia, já que a recuperação no Japão ainda não se estabilizou.

"As medidas de estímulo devem continuar enquanto a economia siga sendo instável", indicou hoje Fujii em entrevista coletiva.

O Banco do Japão decidiu no final de outubro que o programa de compra aos bancos de dívida empresarial expirará no final do ano como estava previsto, ao considerar que houve uma melhora nas condições de financiamento e uma redução da demanda deste tipo de medidas.

Outras ajudas do BOJ ao financiamento para favorecer o acesso a empréstimos extraordinários às empresas foram prorrogadas até março de 2010, com o objetivo de assegurar a estabilidade dos mercados.

O Japão, segunda economia mundial, saiu da recessão no segundo trimestre deste ano, ao crescer seu Produto Interno Bruto (PIB) 2,3% a ritmo anual. EFE jmr/fk

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.