Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Governo já vê estouro da bolha cambial como subprime

O estouro da bolha cambial, a exemplo do crédito imobiliário nos Estados Unidos, já é considerado pelos economistas do Ministério da Fazenda como o tempero amargo do Brasil na crise global - o subprime brasileiro. A subida repentina do dólar nas últimas semanas surpreendeu governo, mercado e, principalmente, empresas que especulavam com a moeda americana e, do dia para a noite, amargaram brutais prejuízos com a desvalorização do real.

Agência Estado |

 

Em pouco mais de dois meses, o dólar disparou de R$ 1,56 para os R$ 2,32 da última sexta-feira. Além da queda do real surpreender pela magnitude, o que mais chama a atenção é o fato de grandes exportadores estarem no olho do furacão - como Aracruz, Sadia e Votorantim.

Teoricamente, essas empresas deveriam ganhar com a desvalorização, pois suas vendas em dólar rendem mais reais, mas está ocorrendo o contrário: essas empresas captaram mais dólar do que precisavam no exterior, trocaram em reais no Brasil e apostaram no mercado futuro que a taxa não passaria de R$ 1,80, com a expectativa de lucrar com o juro alto.

Essa aposta é feita por meio de "venda de opção de compra", operação altamente especulativa, na qual o investidor assume uma taxa futura para a venda de dólares e, em troca, recebe a rentabilidade da taxa de juros. Quem apostou que o dólar não passaria de R$ 1,80 está ameaçado de vender a moeda americana por esse preço, quando ela já está custando 28,8% mais.

A operação não seria um problema tão grave se as empresas tivessem dólar estocado - o que não é o caso desse tipo de aposta financeira, que é virtual. Segundo analistas do mercado, a estratégia vinha dando certo até recentemente, e era uma forma de as empresas compensarem a queda de receita que tinham com suas transações mercantis, em decorrência da valorização cambial. O problema é que essas operações inundaram o mercado brasileiro de dólares e agravaram a espiral de supervalorização do real.

Alguns empresários alegam que entraram no mercado futuro de derivativos por "pressão e imposição" dos bancos que concederam as operações de Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC). Porta-vozes do setor financeiro admitem que esse era um produto largamente oferecido pelas instituições bancárias, mas contestam a alegação de imposição. "Ficaram de olho grande mesmo", diz um economista do mercado. As informações são do jornal "O Estado de S.Paulo".

Turbulência nos mercados:

  • Entenda o sobe-e-desce da bolsa no Brasil
  • Veja como a crise econômica já afetou o Brasil
  • Veja a cronologia da crise nos mercados financeiros
  • Entenda o que é um banco de investimentos
  • Veja os principais pontos do plano de socorro financeiro
  • Confira argumentos pró e contra o plano de resgate

     

  • José Paulo Kupfer responde:

     

    Acompanhe a cobertura completa em Economia

    Leia tudo sobre: crise nos mercadosdolar

    Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG