Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Governo dos EUA garante empréstimos estudantis

Washington, 10 out (EFE).- O Departamento do Tesouro, que já garantiu títulos comerciais e hipotecas desvalorizadas, prometeu hoje que garantirá o acesso aos empréstimos estudantis, que no presente ano letivo chegam a US$ 51 bilhões.

EFE |

Já o candidato republicano à Casa Branca, John McCain, pediu que fossem suspensas as regras que obrigam idosos a vender ações em seus fundos de aposentadoria depois que completem 70 anos e meio.

"As restrições que continuam em nossos mercados de capital apresentam problemas para os estudantes e as pessoas que fazem empréstimos", admitiram o secretário do Tesouro, Henry Paulson, e a secretária de Educação, Margaret Spellings, em comunicado conjunto.

"Reconhecemos que a educação é o fundamento de uma força de trabalho sólida e potente, e não devemos permitir que os problemas em nossos mercados de capital diminuam as oportunidades de nossos estudantes", diz a declaração.

Segundo a nota, funcionários informaram que os programas do Governo federal que apóiam os empréstimos estudantis originaram créditos de quase US$ 51 bilhões no ano letivo em curso, valor superior se comparado com os US$ 45 bilhões no mesmo período do ano anterior.

"Nos meses ainda por vir as instituições de educação e as pessoas que fazem empréstimos tomarão suas decisões para o ano letivo 2009-2010", apontou a declaração, que acrescentou que "a administração está preparada para apoiar a contínua disponibilidade de recursos federais para empréstimos estudantis".

McCain se referiu hoje, em um discurso de campanha no Wisconsin, à situação difícil encarada por pessoas que economizaram para sua aposentadoria durante décadas e que devem vender as ações em seus fundos de retirada quando completarem 70 anos e meio.

"Não deveríamos forçar os investidores a vender suas ações justo quando os mercados estão mais deprimidos", disse McCain.

"Temos que proteger os investidores, e especialmente os que contam com seus investimentos para sua aposentadoria", frisou. EFE ab/rr

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG