NITERÓI - O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, informou hoje que adotará medidas emergenciais na área de saúde em conjunto com o governo federal para enfrentar problemas decorrentes das últimas chuvas. Cabral anunciou a distribuição de kits de apoio com alimentos, roupas e remédios para cerca de 70 mil pessoas dos municípios atingidos.

NITERÓI - O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, informou hoje que adotará medidas emergenciais na área de saúde em conjunto com o governo federal para enfrentar problemas decorrentes das últimas chuvas. Cabral anunciou a distribuição de kits de apoio com alimentos, roupas e remédios para cerca de 70 mil pessoas dos municípios atingidos. A entrega será feita pelo ministério, por meio da Subsecretaria de Vigilância Sanitária do Estado. "Foi destacada a necessidade de nos anteciparmos a problemas de saúde pública que podem ser sérios, com a vacinação, com a questão (do combate) à leptospirose, hepatite e diarreia", afirmou o governador depois de encontro com um representante do Ministério da Saúde e prefeitos, em Niterói. Outras medidas são a recuperação prioritária de unidades de saúde que sofreram danos e a preparação de profissionais para lidar com os problemas decorrentes do temporal. O governador também disse que serão criadas unidades de base de saúde, que funcionarão como clínicas da família, e vão ser construídas no modelo semelhante ao das unidades de Pronto-Atendimento (UPAs). "Vamos priorizar toda a região metropolitana, sobretudo as áreas atingidas pelas enchentes." Antes do encontro com prefeitos, Cabral sobrevoou regiões afetadas. Depois, seguiu para o município do Rio, onde avalia os estragos provocados pela chuva em reunião com o prefeito Eduardo Paes. Pela manhã, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou em Brasília a suspensão de cirurgias eletivas (que não são de urgência) na rede federal de saúde no Rio de Janeiro. Segundo o ministro, o objetivo é liberar esses hospitais para o atendimento de pacientes com doenças transmitidas pela água. (Agência Brasil)
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.