Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Governo do ES sugere novo endereço para siderúrgica da Baosteel e Vale

SÃO PAULO - Após analisar os resultados de uma Avaliação Ambiental Estratégica (AAE), o governo do Espírito Santo propôs uma mudança de endereço para a Companhia Siderúrgica Vitória (CSV), joint venture entre a Vale do Rio Doce e a gigante chinesa Baosteel. O projeto, orçado em pelo menos US$ 4 bilhões, prevê a produção de 5 milhões de toneladas anuais de placas de aço, além da construção de um porto de águas profundas e de uma ferrovia.

Valor Online |

De acordo com o governo capixaba, o laudo ambiental apontou limitações quanto aos recursos hídricos e atmosféricos da região que abriga o município de Anchieta, no litoral sul do estado, onde seria instalado o empreendimento. Isso porque o local já conta com uma série de projetos que vão viabilizar a criação de um pólo industrial e de serviços.

Funcionando juntos, todos os empreendimentos poderiam comprometer seriamente a oferta de água da região. Segundo a Secretaria de Desenvolvimento do Espírito Santo, o aumento da demanda para o abastecimento público e para a agricultura ultrapassaria o limite máximo outorgável, e poderia até mesmo se aproximar do limite físico do rio que abastece a região.

Quanto à questão das emissões, a operação integral de todo pólo elevaria de forma significativa a poluição da região, que atualmente é considerada de "baixa magnitude", de acordo com a secretaria.

Por esse motivo, o governo capixaba, após uma série de reuniões, achou por bem recomendar a instalação da CSV em outro município da mesma região, citando como possíveis alternativas as cidades de Itapemirim e Presidente Kennedy.

O secretário de Desenvolvimento do Espírito Santo, Guilherme Dias, afirmou ao Valor Online que os responsáveis pela CSV já foram informados da decisão e estão analisando as novas possibilidades. Procurada, a Baosteel - majoritária no projeto, com participação de 60% - informou que não iria se pronunciar sobre o assunto.

Além da CSV, o projeto do Pólo Industrial de Anchieta conta hoje com o plano de ampliação da Samarco Mineração, que pretende instalar sua quarta usina de pelotização no local. Também estão previstos dois projetos da Petrobras, sendo um deles a construção de uma unidade de tratamento de gás natural, já em andamento, e o outro uma base portuária de apoio à exploração de petróleo.

Apesar da restrição à CSV, o governo capixaba fez questão de salientar que quer a presença da Baosteel no estado. "Nós sabemos que o projeto é de elevado nível de controle de emissão e que gera um significativo número de empregos. A restrição é a região onde se pretendia instalar a siderúrgica, que está no limite dos recursos naturais", explicou em nota a secretária de Meio Ambiente, Maria da Glória.

(Murillo Camarotto | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG