Quito, 4 mar (EFE).- O Governo do Equador anunciou hoje sua decisão de reter 70% da produção da companhia petrolífera francesa Perenco, a fim de cobrar a dívida de US$ 338 milhões em impostos extraordinários que a companhia deve ao Estado equatoriano.

O ministro de Minas e Petróleos equatoriano, Derlis Palacios, em entrevista coletiva, informou sobre esta medida que afeta essa percentagem dos 25 mil barris diários de petróleo produzidos pela empresa francesa.

Segundo Palacios, a retenção torna-se efetiva a partir de hoje e durará, de acordo com os cálculos para saldar a dívida, até maio de 2011.

"Não tivemos resposta da companhia e de seu sócio (americano) Burlington, e com isso o juiz emitiu ontem a ordem de retenção da produção petrolífera da companhia Perenco até que sejam cobertos os valores endividados ao Estado equatoriano, incluindo os juros", disse Palacios.

"A medida já foi notificada aos interessados e a seus advogados", acrescentou.

Segundo Palacios, a Perenco continuará operando em seus campos petrolíferos, "o que estamos retendo é a participação que eles tinham na produção, entre 70% e 80%, dependendo dos campos".

Apesar da medida do Governo, Palacios declarou que "estamos abertos a uma negociação com a companhia, unicamente o que tivermos retido até o momento de qualquer acordo, servirá como crédito para a dívida e poderíamos programar o restante. Não estamos fechados a nada", disse o ministro. EFE ic/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.