Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Governo deve superar meta fiscal de 3,8% do PIB em 2008, diz BC

BRASÍLIA - O governo pode fechar 2008 com resultado fiscal superior à meta de 3,8% do Produto Interno Bruto (PIB), mesmo considerando que o mês de dezembro terá resultado negativo. A economia para o pagamento de juros da dívida (superávit primário) no ano até novembro ficou em R$ 134,83 bilhões ou 5,08% do PIB, a melhor para o período na série histórica iniciada em 1991.

Valor Online |

Também nos 12 meses terminados em novembro, o esforço fiscal estava acima da meta e equivalente a 4,27% do PIB, totalizando R$ 123,05 bilhões.

O chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, explicou que é esperada uma compensação em dezembro nas contas previdenciárias, já que em novembro foi antecipada uma parcela do décimo terceiro salário de aposentados com benefícios de um salário mínimo.

O déficit de R$ 4,22 bilhões nas contas do INSS foi um dos três fatores negativos que geraram um superávit primário menor no mês passado, de R$ 1,94 bilhão, ante R$ 6,8 bilhões em novembro de 2007.

Outro impacto foi o aumento de R$ 920 milhões para R$ 2,9 bilhões nos investimentos da União, na mesma base de comparação. E o terceiro fator foi a transferência de R$ 680 milhões pelo Tesouro, em cobertura fiscal de exportações (Lei Kandir) a Estados exportadores.

Por outro lado, Lopes lembrou que haverá o impacto negativo da despesa de R$ 14,2 bilhões em títulos emitidos para o Fundo Soberano do Brasil. Por isso, ele prefere trabalhar com um resultado fiscal fechado no ano na meta de 3,8% do PIB.

Ele destacou ainda que o resultado nominal (diferença entre a economia e a apropriação efetiva de juros) acumulado de janeiro a novembro, negativo em R$ 10,752 bilhões ou 0,4% do PIB, também é o melhor já apurado no período. Os juros apropriados no ano até novembro somaram R$ 145,58 bilhões ou 5,48% do PIB, o menor nível desde maio de 1998 (5,38% do PIB), segundo o BC.

Segundo o BC, o governo deve fechar o ano com déficit no resultado primário equivalente a 1,7% do PIB.

(Azelma Rodrigues | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG