Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Governo boliviano vai intervir em petroleira da BP, diz fonte

Por Carlos A. Quiroga LA PAZ (Reuters) - A Bolívia vai intervir na petroleira Chaco, controlada por uma empresa da BP no país, depois que seu acionista majoritário negou-se a ceder o controle da companhia ao Estado, disse na quinta-feira uma fonte oficial, em um sinal de dureza do governo a dois dias do referendo sobre uma nova Constituição socialista.

Reuters |

A fonte do governo, que pediu anonimato, explicou que a estatal YPFB tomará o controle nas próximas horas dos escritórios e dos campos petroleiros da filial boliviana do grupo Pan American Energy, formado 60 por cento pela BP e o capital restante pela argentina Bridas.

Em seu processo de nacionalização dos hidrocarbonetos, o governo estava negociando adquirir uma participação de pouco mais de um por cento em Chaco para que a YPFB aumentasse sua presença na empresa para mais de 50 por cento.

Mas as negociações fracassaram, o que obrigou o presidente Evo Morales a assinar um decreto para nacionalizar a empresa, que opera vários campos cujo gás natural extraído é exportado para a Argentina.

"O governo decidiu mediante decreto supremo tomar o controle acionário da empresa depois de fracassar uma negociação iniciada em maio", disse a fonte.

"O presidente da YPFB tomará controle físico dos escritórios de Chaco na manhã de hoje (sexta-feira), acompanhado por uma comissão de fiscais", completou.

O governo tinha oferecido 4,8 milhões de dólares para tomar o controle de Chaco. Não está claro se o decreto de Morales dá ao Estado 100 por cento da empresa ou 51 por cento.

O governo boliviano lançou em maio de 2006 um programa de nacionalização de hidrocarbonetos, segundo o qual o Estado deve passar a controlar as petroleiras particulares que operam no país.

No domingo os bolivianos vão decidir nas urnas sobre uma nova Constituição socialista que aprofundará o programa de nacionalização da economia do país.

A Bolívia tem as segundas maiores reservas de gás natural da América do Sul, atrás da Venezuela. Os principais destinos de suas exportações são Brasil e Argentina.

(Por Alejandro Lifschitz e Carlos Quiroga)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG