Buenos Aires, 21 - O Chefe do Gabinete de Ministros, Sergio Massa, afirmou que o governo da presidente Cristina Kirchner não abandonará os produtores agrícolas que estão padecendo a intensa seca que assola a Argentina. Vamos colocar todas as ferramentas que o Estado argentino possui, sustentou.

No entanto, Massa disse que o governo não declarará "emergência agropecuária".

A emergência agropecuária implicaria adiamento do pagamento de impostos, para aliviar os problemas econômicos do setor. As associações ruralistas afirmam que a declaração do estado de emergência é imprescindível. Alguns setores exigem mais medidas, e afirmam que seria necessária a declaração de "desastre agropecuário", o que resultaria em anistia para os tributos do setor.

A Argentina está sendo assolada pela pior seca dos últimos 47 anos. A falta de chuvas poderá causar prejuízos da ordem de US$ 4,104 bilhões em 2009, segundo estimativas das Confederações Rurais Argentinas (CRA).

A Confederação de Associações Rurais de Buenos Aires (Carbap) sustenta que os prejuízos, até o momento, alcançam US$ 1,2 bilhão na província de Buenos Aires. Segundo a Carbap, se não chover mais de 80 milímetros em dez dias, mais da metade dos municípios bonaerenses estarão em situação de emergência.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.