Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Governo anunciará amanhã novo plano para fortalecer setor agrícola

Redação Central, 1 jul (EFE).- O Brasil indicou hoje que elevará significativamente sua produção de alimentos para consolidar-se como um dos grandes fornecedores internacionais do setor, segundo o novo Plano Agrícola e Pecuário 2008/2009 (PAP), que será detalhado formalmente amanhã.

EFE |

O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Edilson Guimarães, afirmou hoje, em declarações à "Agência Brasil", que esse Plano Agrícola e Pecuário para 2008/2009 está orientado a atender a conjuntura mundial no mercado de alimentos.

"O plano anterior foi feito num momento em que o setor estava saindo de uma crise. Agora, os preços dos alimentos estão altos e o país tem que aproveitar as oportunidades", disse Guimarães.

O Plano 2007/2008 apontava um novo impulso às atividades após uma queda de 4,66% no Produto Interno Bruto (PIB) do setor em 2005, e de um crescimento discreto de 0,45% em 2006, explicou.

O projeto relativo ao período 2008/2009, cujas linhas gerais foram anunciadas recentemente pelo ministro da Agricultura Reinhold Stephanes, contempla investimentos no valor de R$ 65 bilhões, a maior parte em financiamento às sementeiras.

Os detalhes serão apresentados amanhã, em Curitiba, em um ato que contará com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além de políticos e empresários.

Um dos principais objetivos do Governo é "aproveitar as oportunidades" internacionais sem perder o controle sobre os preços dos alimentos no mercado interno.

Por isso, o Governo se propõe a aumentar os estoques oficiais de grãos e cereais, como milho e arroz.

As reservas de grãos serão elevadas em 400%, dos níveis atuais, de 1,5 milhão de toneladas, até 6 milhões de toneladas.

Também está previsto garantir preços mínimos ao produtor, especialmente de arroz, feijão, milho e trigo, e ampliar a cobertura de seguro, como forma de garantir a renda e o aumento da produção.

O Governo também estuda reduzir as taxas cobradas por fretes de adubos, em um esforço para reduzir os custos de produção no campo e aumentar a liquidez dos produtores. EFE ol/gs

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG