Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Governo alemão dobra endividamento com novo pacote econômico

BERLIM - O Governo alemão aprovou nesta terça-feira o maior pacote de reativação econômica desde a Segunda Guerra Mundial para atenuar a maior crise também desde o pós-guerra, ao mesmo tempo em que deu sinal verde a um orçamento suplementar que duplica o endividamento público em relação ao plano inicial. O programa contempla um orçamento de 50 bilhões de euros para este ano e 2010, que se dedicarão fundamentalmente a investimentos na educação e infraestrutura de estradas e ferrovias, além de incluir algumas reduções de impostos para os cidadãos.

EFE |

As medidas de agora e do primeiro pacote, em novembro, somando 80 bilhões de euros, servirão apenas para combater uma queda ainda maior da economia. O ministro da Economia, Michael Glos, reconheceu recentemente que, apesar dos pacotes, o Produto Interno Bruto (PIB) cairá 2,25% neste ano.

O programa lançado nesta terça inclui um pagamento único às famílias de 100 euros por criança, fundos que o Governo espera que sirvam para fomentar o consumo.

Além disso, haverá uma ajuda de 2,5 mil euros para a compra de cada novo veículo em que o proprietário descarte seu automóvel com mais de nove anos de uso.

Em relação às ajudas de fomento aos investimentos em educação e infraestrutura, o programa destina 70% destes fundos aos municípios e 30% aos estados.

Outro componente do programa são avais estatais à indústria no valor de 100 bilhões de euros, semelhante ao aprovado em novembro para os bancos, no volume total de 400 bilhões de euros.

Trata-se fundamentalmente de estimular com avais públicos os créditos às pequenas e médias empresas, que sofrem as consequências da crise bancária.

Boa parte do programa de 50 bilhões será custeado através de um "fundo extraordinário de amortização", motivo pelo qual não está incluído no orçamento da União.

Por isso, o orçamento suplementar estipulado também hoje significa um endividamento de "apenas" o dobro do aprovado no Parlamento há apenas um mês e não um valor ainda maior.

Leia tudo sobre: alemanha

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG