Berlim, 5 out (EFE) - O Governo de Angela Merkel deixou hoje entrever a possibilidade de que a Alemanha siga o exemplo da Irlanda e ofereça uma garantia estatal a todos os depósitos privados.

O porta-voz do Ministério das Finanças, Torsten Albig, afirmou que a garantia estatal iria além do que oferece o sistema estatal de garantias, pois daria segurança absoluta aos clientes privados.

Na Alemanha vigora a legislação da União Européia (UE) que, em caso de crise de um banco, garante 90% dos depósitos bancários até um máximo de 20 mil euros.

Para os 10% restantes e valores superiores aos 20 mil euros para a funcionar um fundo de garantias voluntário, do qual participam os bancos privados e que cobre todos os depósitos até um máximo de 30% dos recursos próprios do banco.

Embora, em situações normais, este fundo seja uma garantia de praticamente 100% das economias, em situações de crise, como a atual, estes recursos podem ser insuficientes.

Na minicúpula realizada no sábado em Paris entre os líderes dos países europeus do Grupo dos Oito (G8, sete nações mais ricas do mundo e a Rússia), Merkel ainda tinha criticado a medida da Irlanda, que havia provocado a fuga de capital britânico em direção a essa ilha.

A escalada da crise do Hypo Real Estate, no entanto, levou a chanceler, hoje, a mudar de rumo e tentar tranqüilizar os clientes dos bancos.

"Queremos dizer aos poupadores e poupadoras que seus depósitos têm garantia", disse.

Como se a mensagem não tivesse ficado claro, o ministro das Finanças, Peer Steinbrück, acrescentou: "Quero ressaltar que asseguraremos que os poupadores e poupadoras na Alemanha não tenham que perder um só euro de seus depósitos".

"Este é um sinal importante para que a situação se tranqüilize e que não ocorram reações que seriam desproporcionais e dificultariam ainda mais a solução e prevenção de crise", disse. EFE ih/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.