Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Goldman e JP Morgan traçam plano para cobrir rombo na AIG

A pedido do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), os bancos Goldman Sachs e JP Morgan estão tentando costurar um pacote de empréstimos para tapar um buraco no balanço da seguradora AIG que pode chegar a US$ 75 bilhões. Enquanto isso, a seguradora, a maior dos Estados Unidos em ativos, conseguiu permissão do governo para tomar emprestados US$ 20 bilhões de suas próprias subsidiárias, em um financiamento de emergência.

Agência Estado |

A AIG estava em uma situação difícil nos últimos dias e chegou a pedir um empréstimo-ponte de US$ 40 bilhões para o Tesouro americano para se manter à tona. Agências de classificação de risco ameaçam rebaixar a nota de crédito da AIG se a seguradora não conseguir se recapitalizar. A empresa segurou vários títulos lastreados em hipoteca que estão inadimplentes, e está sofrendo grandes prejuízos.

Os US$ 20 bilhões dão espaço para a AIG respirar enquanto negocia algum tipo de pacote de ajuda ou empréstimos-ponte privados. A AIG e um grupo de bancos tiveram uma reunião com os dirigentes do Fed ontem para discutir a situação da empresa. No entanto, o secretário do Tesouro, Henry Paulson, afirmou que o governo não vai intervir. "O que está ocorrendo é um esforço do setor privado", afirmou.

Foi o Fed que pediu ao JP Morgan e ao Goldman para estruturar o pacote de empréstimos com objetivo de recapitalizar a seguradora. O rebaixamento pode enterrar de vez a AIG, uma vez que vai encarecer seu crédito e vai desencadear a recompra obrigatória de vários títulos emitidos pela empresa.

A ação da AIG caiu mais de 60% ontem, chegando à cotação mais baixa em 20 anos. "Empresas que são o alicerce de nosso sistema financeiro estão desmoronando diante de nossos olhos", disse o governador de Nova York, David Patterson.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG