Com prejuízo de R$ 216,7 milhões no segundo trimestre deste ano, sua quarta perda trimestral consecutiva, a Gol enxergou nas periferias e favelas de grandes cidades uma oportunidade de recuperar, ao menos em parte, a rentabilidade. A companhia - que acumula gastos com a compra da Varig que já ultrapassam R$ 1 bilhão - vai contratar, até o final do ano, cerca de 800 pessoas com a missão de vender passagens aéreas de porta em porta.

Os bilhetes poderão ser parcelados em até 36 vezes para "passageiros de primeira viagem". Esse tipo de venda a longo prazo já responde por 2,5% da receita da empresa. A meta para o ano que vem é dobrar essa porcentagem, recorrendo ao consumo das classes C, D e E.

"Esse cliente mora nas regiões de mais baixa renda. Ele nem sabe que existe um agente de viagem. Nosso propósito é fazer com que ele possa ser cativado e convencido a voar pela primeira vez, pagando parcelado. Depois disso, ele entra para o sistema", disse o vice-presidente da Marketing e Serviços da Gol, Tarcísio Gargioni, durante palestra na Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, no Rio.

Gargioni disse que já são 700 mil clientes com esse perfil, que integram o programa Voe Fácil e são portadores de um cartão, mas sem a função de crédito. Funciona apenas como uma autorização para usufruir do programa. Já foram vendidas mais de 1 milhão de passagens por meio desse serviço.

A Gol desenvolve, desde meados de julho, em São Paulo, um projeto piloto de venda porta a porta de passagens parceladas, disse Gargioni.

A Gol publicou anúncios, em jornais distribuídos em trens e ônibus da cidade, para recrutar vendedores, incentivando-os a formar clientela entre parentes, amigos e vizinhos, como uma atividade extra.

Agora o programa vai se estender para Rio, Brasília e Belo Horizonte, segundo Gargioni. A Gol está desenvolvendo um meio para integrar o cartão do Voe Fácil com os agentes de viagem, já que a idéia é que esse tipo de canal possa atrair a população de baixa renda. A taxa de inadimplência entre esses consumidores, disse o executivo, é baixa, "parecida com a das Casas Bahia". A rede de varejo informou que a inadimplência de seus clientes está estabilizada em 10%.

A Gol, que anunciou recentemente a suspensão do pagamento de dividendos este ano aos acionistas, estima que 10% de todos os passageiros que já transportou (em torno de 90 milhões) desde sua origem, em janeiro de 2001, eram estreantes em viagens aéreas, ou seja, 9 milhões de pessoas.

Gargioni afirmou que os vendedores baterão na porta da casa dos potenciais passageiros também com o objetivo de explicar como é uma viagem de avião.

Com essa iniciativa, a Gol tenta reagir à perda de mercado. Segundo dados divulgados na semana passada pela Agência Nacional de Aviação (Anac), a Gol ficou com 34,13% do mercado doméstico, o pior resultado desde janeiro de 2007.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.