Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Gol revê projeções para o segundo trimestre, antecipando receita menor e custo maior

SÃO PAULO - A Gol reviu hoje suas projeções para investidores sobre a atividade aérea no país. Essa é a terceira atualização das expectativas da companhia neste ano: as duas primeiras ocorreram em janeiro e março.

Valor Online |

De acordo com a Gol, a expectativa para o segundo trimestre é que o custo unitário (medido pelo custo total dividido pelo número de assentos disponíveis multiplicado pelos quilômetros percorridos - CASK, na sigla em inglês) deverá aumentar em relação aos três primeiros meses do ano. Em compensação, a receita unitária (RASK, na sigla em inglês), deverá cair no período.

A Gol teve um CASK de R$ 0,147 no primeiro trimestre e sua expectativa é registrar R$ 0,165 entre abril e junho. Por outro lado, o RASK vai cair de R$ 0,145 para R$ 0,135 nesse intervalo.

Sem levar em consideração os gastos com combustíveis, a Gol espera que o CASK, que foi de R$ 0,088 nos três primeiros meses do ano, fique em R$ 0,085 no segundo trimestre.

A influência do combustível nas operações da companhia continua significativa. Segundo a empresa, após ter ficado em média em R$ 1,81 por litro no primeiro trimestre, a expectativa é que o gasto com querosene de aviação (QAV, no jargão) fique em R$ 2,12 por litro entre abril e junho, um aumento de 17,12%.

Após iniciar o ano com previsão de preço médio de US$ 90 por barril do petróleo WTI, a Gol elevou em março essa expectativa para US$ 98. Hoje, a projeção indica um preço médio ainda mais alto, de US$ 124.

A Gol acredita que a demanda unitária (medida pelo número de passageiros pagantes multiplicado pelos quilômetros percorridos - RPK, na sigla em inglês) aumentará ligeiramente no segundo trimestre. Após ter crescido 10,4% entre janeiro e março, a empresa projeta expansão de 10,2% entre abril e junho.

Já a oferta unitária (ASK, na sigla em inglês), deve crescer apenas 25% no segundo trimestre, diz a Gol. Nos primeiros três meses do ano, a expansão foi de 58%, embora a companhia tivesse apostado em uma elevação na oferta de 65%.

Com a diferença no aumento do ASK e do RPK, a projeção de taxa média de ocupação da empresa para o segundo trimestre ficou em entre 61% e 63%, embora tenha sido de 62% entre janeiro e março.

Por fim, o yield (preço que o passageiro paga por quilômetro) deve ficar em R$ 0,20 no segundo trimestre, após ter sido de R$ 0,22 no primeiro.

(José Sergio Osse | Valor Online)

Leia mais sobre Gol

Leia tudo sobre: aviação civilaviação comercialgol

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG