Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Gol reestrutura operação e adota o Smiles, da Varig

Quem voar de Gol vai poder acumular milhas no programa Smiles, da Varig. O acúmulo das milhas começa a valer a partir do dia 16 e a conversão em passagens, a partir de 16 de novembro.

Agência Estado |

Com 5,9 milhões de participantes, o Smiles é, basicamente, o que restará da Varig quando estiver concluída a reestruturação do grupo Gol, além de alguns aviões pintados de azul.

Com a autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para a fusão das duas empresas, o grupo Gol decidiu manter, no mercado doméstico, apenas a bandeira Gol. A marca Varig será mantida nos vôos para América Latina (Bogotá, Caracas, Santiago e Buenos Aires).

A despedida da marca, contudo, será gradual - por motivos de logística. Como custa caro tirar um avião de operação para fazer a nova pintura, isso será feito na medida em que eles tiverem de parar para manutenção. Da frota de 104 Boeings 737 do grupo, 35 ainda exibem as cores da Varig.

Independentemente da pintura externa, a experiência de voar em um ou outro avião, seja no doméstico ou no internacional, será absolutamente a mesma, explica o presidente da Gol, Constantino de Oliveira Junior. Os uniformes estão sendo padronizados e a tripulação de um já voa no outro. O empresário nega, contudo, que esteja acabando com a Varig. "É cedo para considerar isso."

Com a unificação dos serviços das duas empresas, a nova Gol ganha alguns atributos. Além do Smiles, o serviço de bordo será incrementado. Na Ponte Aérea Rio-São Paulo, o famoso hambúrguer de picanha da Varig vai entrar no cardápio da nova Gol. E a barrinha de cereal vai desaparecer. "O tipo de serviço de bordo vai variar de acordo com a rota e o tempo de vôo", explica Junior.

O empresário acredita que a Gol se mantém fiel ao modelo de baixo custo, apesar das mudanças. "Não é uma grande mudança, mas uma adaptação. Várias companhias de baixo custo possuem programas de milhagem." A empresa pretende transformar o Smiles em uma unidade de negócios. "O Smiles vai gerar receita para cobrir os custos do programa."

A configuração dos aviões da "nova Gol" será a mesma usada hoje nos aviões da Gol, com a distância de 31 polegadas entre as poltronas. Nos vôos para a América Latina, Varig e Gol passam a voar com duas classes. A classe Confort terá mais espaço entre as poltronas e acumulará 25% a mais de milhas.

Apesar de o grupo ter optado por manter o cheta (certificado emitido pela Anac) da Varig, nem mesmo o código RG, que antecede o número dos vôos, será mantido. A partir de dezembro, todos os vôos começarão com o código G3, da Gol.

A nova campanha publicitária, assinada pela Almap BBDO, reflete essa nova realidade: a marca Varig simplesmente não aparece. A compra da Varig, em março do ano passado, já custou R$ 1,2 bilhão à Gol - somando o valor da aquisição mais prejuízos. O presidente da Gol acredita que os efeitos da reestruturação, que já vem sendo implementada há alguns meses, começarão a ser sentidos no balanço do terceiro trimestre, com o fluxo de caixa passando a ser positivo no final do período.

A economia com a fusão é estimada em R$ 180 milhões. Serão 500 funcionários demitidos. "Quando compramos a Varig, tínhamos 12 mil funcionários e a Varig, 1.980. Hoje temos 16,5 mil e vamos reduzir para 16 mil", explica Junior.

A empresa está reformulando a sua malha, eliminando sobreposições de horários entre as duas empresas. Para Junior, a nova malha, que entra em vigor no dia 19, será decisiva para recuperar participação de mercado. A empresa perdeu dois pontos desde julho, chegando a 39,88% em setembro. "Vamos recuperar em outubro, mas principalmente em novembro e dezembro."
Para o consultor de aviação Paulo Sampaio, a nova malha da Gol é "bem mais eficiente". "E, com o Smiles, acredito que a Gol vai voltar a crescer." As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG