Tamanho do texto

DETROIT (Reuters) - O vice-presidente da General Motors John Smith, chefe da negociação sobre a reorganização da Opel, disse nesta quarta-feira que a montadora norte-americana ficaria com um grande buraco estratégico se prosseguisse com a venda de sua unidade alemã. Na noite de terça-feira, a GM informou que desistiu de vender o controle da Opel para um consórcio que inclui a fabricante canadense de autopeças Magna.

Em teleconferência com jornalistas, Smith disse que a decisão de manter a Opel foi a maior decisão tomada até o momento pelo conselho da GM, empresa que saiu de uma concordata patrocinada pelo governo norte-americano.

O executivo disse ainda que a performance da Opel está melhor do que o esperado, contribuindo para o balanço da companhia.

Conforme Smith, a GM poderá e irá pagar o empréstimo-ponte feito pelo governo alemão, se necessário.

A expectativa dele é que a Opel tenha um plano de reorganização até o final do primeiro trimestre que seja aceito por todos os governos envolvidos e pelos sindicatos de empregados.

Ainda segundo ele, reduções significativas de custos são necessárias para colocar a Opel no caminho de uma estabilização de longo prazo, e cerca de 10 mil cortes de empregos serão considerados em qualquer plano de reestruturação.

(Reportagem de David Bailey e John Crawley)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.