Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Gávea, de Armínio Fraga, aproveita crise e vai às compras

A Gávea Investimentos, gestora de recursos liderada pelo ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, aproveita a crise financeira para ir às compras. O primeiro passo foi dado ontem, com o anúncio de acordo para aquisição de até US$ 130 milhões em ações da Cosan Limited, controladora da Cosan S.

Agência Estado |

A. líder no mercado sucroalcooleiro, que adquiriu recentemente a rede Esso de postos de combustíveis. E o movimento não pára por aí: "A hora de investir é perfeita, é espetacular", diz um dos sócios da Gávea, Luiz Fraga.

O executivo argumenta que os baixos preços dos ativos hoje em dia criam boas oportunidades para investimentos de longo prazo, como alguns fundos da Gávea, que têm prazo de retorno de até 10 anos. Mesma estratégia vem sendo posta em prática pelo megainvestidor americano Warren Buffett, que aproveitou a crise para adquirir ações baratas de gigantes como GE e Goldman Sachs. "É um bom exemplo a ser seguido", diz o sócio da Gávea.

No acordo fechado com os controladores da Cosan, a Gávea se comprometeu a pagar US$ 7,90 por ação da Cosan Limited, valor equivalente, ao câmbio de ontem, a R$ 15,80, ou 33,6% a menos do que a cotação máxima de R$ 26,80, atingida em março.

Segundo analistas, o modelo da operação denota as dificuldades que a Cosan vem encontrando para captar recursos necessários a projetos de expansão e para o pagamento da rede Esso, negócio de US$ 826 milhões. A companhia optou por um aumento de capital da Cosan S.A, mas frente ao risco de não encontrar investidores dispostos, o aporte será feito pela Cosan Limited, reforçada com a operação anunciada ontem. Procurada, a Cosan não se manifestou.

"A Cosan é líder e é consolidadora natural de um setor que vai passar por dificuldades, como todo setor que precisa de dívidas, mas com grande potencial de crescimento no futuro", comenta Fraga. Dependendo da participação dos minoritários, o aporte de recursos da Gávea deve oscilar entre US$ 90 milhões e US$ 130 milhões; os controladores entrarão com US$ 50 milhões.

Os detalhes das negociações entre a Gávea e a Cosan não foram revelados, mas Fraga garantiu que foi um acordo "rápido". E adiantou que espera oportunidades semelhantes no curto prazo. "Vai mudar o tom da conversa. Os próximos meses vão ser bons para investir."

Anteontem, a Gávea anunciou, junto com o fundo Pragma, a compra de 30% da Droga Raia. Embora o negócio venha sendo negociado há dois meses, a entrada dos fundos foi facilitada pela crise. "Preparamos uma abertura de capital no ano passado, mas depois entendemos que não valeria a pena", lembra o presidente da rede paulista de farmácias, Antônio Carlos Pipponzi. Assim, para manter o ritmo de investimentos, a empresa procurou os investidores. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG