Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Gaudenzi reafirma crítica à privatização de aeroportos

O ex-presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) Sérgio Gaudenzi criticou hoje a opção de privatização isolada de aeroportos, que está sendo adotada pelo governo federal. Em discurso, durante uma rápida solenidade de transmissão de cargo ao presidente interino da estatal, tenente-brigadeiro do ar, Cleonilson Nicácio Silva, Gaudenzi afirmou que a privatização isolada de aeroportos vai afetar o equilíbrio que permite à Infraero manter os aeroportos médios e pequenos em locais pobres e isolados do Brasil.

Agência Estado |

"Sempre acreditei que o melhor caminho para o crescimento da empresa e o cumprimento de sua missão de integração no País é a abertura de capital", afirmou Gaudenzi, em seu discurso.

A solenidade foi discreta e durou pouco mais de meia hora, na sede da estatal, em Brasília, com a presença de funcionários da Infraero. Gaudenzi revelou que, em sua carta de demissão ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou que não seria a pessoa mais indicada para conduzir essa etapa de privatização, por discordar da alternativa. "Escrevi ao ministro que não poderia fazê-lo com entusiasmo, por discordar da tese", afirmou.

Já o presidente interino da Infraero fez um discurso curto e não mencionou sua posição sobre a política de privatização dos aeroportos. Limitou-se apenas a agradecer o convívio com Gaudenzi e lembrou que a presidência do antecessor foi marcada pelas ações de recuperação de imagem da Infraero, abalada pelo caos aéreo e pelos dois trágicos acidentes da Gol e da TAM, ocorridos em 2006 e 2007.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG